Editorial - O grande embuste petista


Como a pressa e a morosidade se revezam na administração petista e marcam o aproximar dos 100 dias do “ governo popular e democrático ”?

A dinâmica difere sensivelmente quando os interesses do FMI/Banco Mundial requerem intervenção do Planalto e quando, por outro lado, se trata de responder aos reclamos do povo. Para o Fundo e o Banco, tudo é resolvido na primeira hora; para o povo, os governantes dizem que adotarão medidas com muita serenidade. Nesse caso, é melhor não ter pressa.

Mas retardar o atendimento para uns, pode significar o aceleramento para outros e vice-versa. Dependendo da elasticidade da interpretação dialética-petista, retardar e acelerar pode beneficiar e prejudicar o mesmo aspecto da contradição, simultaneamente.

As conclusões do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-econômicos (Dieese) já foram apontadas pela direção petista como um dos modelos nos quais os governos deveriam se inspirar. Exemplo: o critério de análise para decretar o salário mínimo. Ao encerrar-se esta edição, o Dieese calculava o valor do salário mínimo necessário em 1.399,10 reais. Por parte do Planalto, o aumento bruto representou 20%, ou um impulso de “ganho real” que atingiu a marca de 1.85%. Enfim, o mínimo saltou para 240 reais — bem entendido, para receber a partir do final de abril, porque trabalhadores não recebem adiantado.

No caso das garantias trabalhistas que atendem pensões e aposentadorias, o governo envia um plano de reforma fiscal e previdenciária amplo, às vezes, imbuído de bons propósitos, até melhores que os da administração anterior (ver em AND 7). Fazendo uso do dialeto tecno-burocrático, vão acumulando problemas para discussão, entupindo o noticiário de TV ou as páginas da grande imprensa com discursos e textos condensados ou prolixos — de qualquer forma herméticos para quem necessita atender às necessidades do estômago. Simultaneamente, outros projetos têm uma tramitação surpreendente. Acontece e ninguém vê, como as votações que vão esvaziando artigos da Constituição, até torná-los totalmente inúteis.

Na questão Alcântara, foi requerida a retirada da pauta. Não há resposta por parte do Planalto, mas o silêncio. Empurra-se com a barriga a matéria, que pode retornar a qualquer dia e hora para votação. Seguro que o Planalto não causará constrangimentos diplomáticos.

Manifesta-se a tendência de não revogar a Medida Provisória que criminaliza a retomada da terra por parte dos camponeses. Nisso não há pressa. Os latifundiários agradecem, e estimulados criam organizações paramilitares e “desburocratizantes” para eliminar camponeses. Coisas como o Primeiro Comando Rural (PCR) ou o Movimento de Defesa da Propriedade em Minas Gerais. Em Goiás ressuscitam a famigerada UDR (União Democrática Ruralista).

“A reforma agrária será pacífica e planejada.” Nisso não há pressa, nem quanto a explicar a maneira de resolvê-la.

O que se diz num dia pode também ser retificado em questão de horas. Se é para o bem do povo...

O monopólio mundial dos meios de comunicação autentica a teoria revisionista da Terceira Via, que se conduz triunfalmente entre o suposto neoliberalismo e a social-democracia, conferindo ao governo do PT a condição de curador dessa orientação diretiva. A imprensa imperialista, de quebra, assegura o uso do epíteto esquerda ao partido e ao próprio sistema de governo que assimilou o PT, com toda a direita que tão bem o caracteriza.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin