Líbia: vai-se a raposa e ficam os abutres

A- A A+

Após meses de impasse militar na Líbia entre o exército de Muammar Khadafi e as forças ditas "rebeldes", financiadas, armadas e alimentadas pelas potências, configura-se o desfecho de um processo que começou como uma legítima rebelião popular contra um governo reacionário e parece estar chegando ao fim com a anunciada reestruturação daquele velho Estado, cujo bravo povo tanto já sofreu com a usurpação imperialista e a opressão por parte dos falsos heróis nacionais.

http://www.anovademocracia.com.br/81/18a.jpg
Manifestante segura cartaz com os dizeres: parem com o ataque contra o oeste da Líbia. Não façam da Líbia um novo Iraque. Fora da Líbia!

Já se sabia que o levante na Líbia contra Khadafi já havia sido cavalgado pelas forças retrógradas que buscam se cacifar a gerentes locais das potências. A rebelião líbia, a exemplo de outras no norte da África e no Oriente Médio, sucumbiu diante da falta de uma direção consequente e de um programa verdadeiramente revolucionário, abrindo espaço para o reagrupamento da reação.

Ante o primeiro sinal de insurgência nas ruas de Trípoli e Benghazi, a "comunidade internacional" tratou de financiar e amar uma "oposição", hoje chamada genericamente de "rebeldes" e organizada politicamente no Conselho Nacional de Transição, por meio do qual a facção que ora tenta derrubar Khadafi já fez inúmeros acordos com os monopólios para a reestruturação do velho Estado líbio — não sem rachas e divisões internas motivadas, por certo, pelo tamanho do butim que caberá a cada um pelos prestimosos serviços ao imperialismo.

Reuniões secretas na Tunísia

Surgem agora informações que demonstram a estreita colaboração de Khadafi com o governo do USA, e vice versa.

No julgamento de um processo entre empresas de aviação foram revelados pequenos detalhes sobre o Programa de Entrega de Prisioneiros da Cia. Ali, soube-se dos voos secretos para a Líbia depois de 2001, como parte da colaboração de Khadafi na "Guerra contra o terror".

O Wikileaks divulgou uma reunião em 2009 na qual o então senador McCain  teria afirmado a Mutassim Khadafi "conselheiro de segurança nacional" do pai, que se empenharia para que o congresso ianque aprovasse a venda de armas à Líbia.

Há poucas semanas informações davam conta de que estavam sendo realizadas reuniões secretas sobre a reestruturação do Estado líbio na Tunísia entre o enviado especial da ONU para Líbia, Abdul Ilah al-Khatib, o ex-primeiro-ministro francês Dominique du Villepin e representantes de Khadafi e do Conselho Nacional de Transição.

Com o destino do regime de Khadafi já praticamente selado, a incógnita ficou por conta do fim que levaria a velha raposa, ou seja, se ali seria costurado um acordo que permitisse a Khadafi, sua família e correligionários mais próximos uma saída, um refúgio ou coisa que o valha.

Agora, parece claro: a refundação da rapina imperialista na Líbia se dará sem o coronel.

http://www.anovademocracia.com.br/81/18b.jpg
Protesto popular diante da Casa Branca no USA denuncia ataques da ONU e USA contra a Líbia

Ocupação imperialista

Este cenário se desenhou com nitidez no fim de agosto, com a tomada da capital da Líbia, Trípoli, pelos "rebeldes", em meio a sangrentos combates e a muita contrapropaganda das potências e do CNT difundida pelo monopólio da imprensa (e em meio também à chegada à Líbia de inúmeros executivos de transnacionais ianques e europeias). Antes disso, as notícias já davam conta de avanços dos "rebeldes" ante as forças de Muammar Khadafi, com a tomada da refinaria de Zawiyah e de cidades próximas à capital Trípoli.

Outro sintoma do desfecho que se anuncia foi o fato de a representação diplomática da Líbia em Washington ter sido reaberta no dia 17 de agosto pelo embaixador Ali Aujali, que até fevereiro respondia a Khadafi, mudou de lado e agora responde ao CNT.

Cerca de um mês antes da tomada de Trípoli, entretanto, o cenário era tenebroso para as forças "rebeldes". Em 28 de julho, Abdel Fattah Younes, chefe militar dos "rebeldes" e ex-ministro do interior de Khadafi, foi morto a tiros em circunstâncias ainda inexplicadas. Na crise que se seguiu, Mustafa Abdel Jalil, tido como "líder" dos "rebeldes",  demitiu todo o gabinete do CNT, semeando ainda mais a dúvida sobre a derrota de Khadafi.

Nessas alturas, nenhuma das potências envolvidas com a agressão à Líbia aceitaria desperdiçar todo o empenho na derrubada do regime por causa da fragmentação e incompetência do CNT. Foram mais de 20 mil missões aéreas e mais de 7 mil bombardeios, segundo a Otan, todos contra Khadafi (inclusive tentando matá-lo) e com a desculpa de "evitar a matança de civis". O fracasso das tropas "rebeldes" financiadas pela Otan forçaria o imperialismo a se sentar numa mesa com Khadafi, coisa que ele vinha tentando obter desde março.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A partir daí, a presença militar imperialista deixou de ser camuflada e milhares de militares desembarcaram em solo líbio para efetivamente impor a ofensiva contra as cidades ainda em poder das forças de Khadafi. Thierry Meyssan, jornalista enviado a Trípoli, dá um relato revelador de como os combates são travados:

"A realidade é que todos os combates são travados pela Otan; e quando seu objetivo é atingido, as tropas da Otan se retiram. Então chegam pequenos grupos – vê-se de cada vez uma vintena de pessoas – mas na realidade nunca são vistos em ação. A cada ocasião são as forças da Otan que chegam em helicópteros Apaches e metralham todo o mundo. Portanto não são os rebeldes que fazem o trabalho militar, isso é anedota! É a Otan que faz tudo. Depois de eles se retirarem, então vêm "os rebeldes" fazer a figuração. É isso que você vê difundido nas cadeias de TV."

O grosso das tropas estrangeiras ocupando a Líbia hoje é de ingleses e franceses, mas há efetivos inclusive do Catar.

Nessa situação, e já sem quase nada em que se segurar, Khadafi fez vários pronunciamentos à população, apelos às tribos do interior do país e outros recursos teatrais que teriam sentido se  tivesse efetivamente armado o povo para resistir contra a ocupação. Sua pusilanimidade, entretanto, comprova que Khadafi há muito não representa uma força antiimperialista. Seu paradeiro era ignorado até o fechamento dessa edição. Havia boatos de que estaria em Sirte, organizando a resistência entre as tribos suas aliadas. Outros especulavam que já havia partido para a Argélia com sua família. A guerra ainda não havia terminado.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja