Teresina - PI: Rebelião estudantil contra aumento das passagens

http://www.anovademocracia.com.br/81/02c.jpg

No dia 29 de agosto os estudantes de Teresina, Piauí, tomaram as ruas em protesto contra o aumento da tarifa dos ônibus de R$ 1,90 para R$ 2,10.

Os manifestantes decidiram ocupar a sede do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (patronal) e deram início a um movimento de pula-catraca nos ônibus.

A tropa de choque da PM foi enviada pela prefeitura contra o protesto e desatou violenta repressão contra os manifestantes, atirando bombas de efeito moral, spray de pimenta e disparos de balas de borracha. Um estudante chegou a desmaiar sob o efeito do gás de pimenta e outro foi atingido por um disparo da PM. Seis estudantes foram presos e vários outros ficaram feridos por agressões policiais.

A juventude de Teresina resistiu com combatividade e vários ônibus tiveram as vidraças destruídas e pneus furados. Centenas de manifestantes se dirigiram à Central de Flagrantes para exigir a libertação dos companheiros presos.

No dia seguinte os estudantes voltaram a tomar as ruas do Centro da cidade em novo e vigoroso protesto. Vários ônibus foram pichados com palavras de ordem em defesa do passe livre, contra o aumento da passagem e de denúncia contra o prefeito Elmano Férrer (PTB).

No dia 1º de setembro, após receberem a resposta de que a prefeitura não recuaria no aumento das passagens, os estudantes piauienses desencadearam novo protesto, que interrompeu o trânsito em todo o Centro da cidade. Vários ônibus tiveram suas vidraças quebradas e um ônibus foi incendiado na Avenida João XXIII próximo ao cruzamento com a avenida Nossa Senhora de Fátima, obrigando a Superintendência de Transportes de Trânsito de Teresina a suspender a circulação das linhas de ônibus.

Em 2 de setembro, quinto dia de protestos, o gerenciamento municipal decidiu suspender por 30 dias o aumento das tarifas. Os manifestantes declararam que irão manter as mobilizações e retomar as manifestações em caso de aumento.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza