Nepal: a traição completa dos revisionistas

A- A A+

Direção do PCN-U (M) entrega as armas ao velho Estado

Da guerra popular à capitulação

Após 10 anos de heroica Guerra Popular, dirigida pelo Partido Comunista do Nepal (Maoísta), no ano de 2006 posições capitulacionistas que já vinham sendo defendidas por alguns dirigentes do PCN (M) foram tornadas públicas com o anúncio de um "cessar fogo" e o fim da luta armada.

Isso se deu após um gigantesco levantamento de massas em todas as cidades e vilas do Nepal, sobretudo na capital Katmandu, quando as massas em armas, dirigidas pelo PCN (M) já haviam estabelecido órgãos do novo poder na maior parte do país.

O rei Gyanendra, acossado pelo avanço das forças revolucionárias, se viu forçado a suspender o estado de emergência que vigorava no país e a restabelecer o parlamento.

O que os dirigentes do PCN (M) anunciaram como avanço da democracia no país foi revelado, posteriormente, não só por suas palavras, mas também pelos fatos, na completa traição e capitulação da Guerra Popular.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira