Kadhafi, troféu da agressão à Libia

A Otan, com o apoio de seus 'rebeldes' na Líbia, assassinou, no dia 21 de outubro, Muamar Kadhafi e seu filho Mutassen. Com esse ato, pode-se dizer que puseram fim à resistência liderada pelo coronel líbio.

As primeiras e incertas notícias veiculadas pelas agências de notícias e jornais da reação davam conta da prisão de Kadhafi durante uma tentativa de romper o cerco das tropas da Otan em Sirte — sua cidade natal — em um comboio composto por mais de cem veículos. Depois, foi a notícia de que ele havia sido ferido nas pernas, mas respirava. Ainda foi anunciado que ele, gravemente ferido, morreu a caminho de um hospital.

Mas a sucessão de imagens divulgadas na internet desmentiram quaisquer boatos de queda em combate ou de resistência do ex-dirigente líbio. A última e mais consistente notícia sobre o seu assassinato, é que ele foi encontrado em um duto de esgoto de Sirte, provavelmente denunciado por pessoas que conheciam seu paradeiro.

Mesmo nesse aspecto, ele se diferiu bastante de Saddam Husseim, que antes e durante a agressão ao Iraque, armou as massas e foi capaz de desenvolver uma política de união nacional contra a agressão. Foi um Kadhafi desgastado e isolado quem caiu nas mãos do inimigo.

Em uma última possível manifestação de dignidade, Kadhafi não fugiu, permaneceu em território Líbio até ser morto, destino esperado por ele após as primeiras e frustradas tentativas de obter algum indulto das potências imperialistas. Quando descoberto, ele teria se rendido e pedido que não atirassem. As primeiras imagens mostram Kadhafi vivo e consciente, sem impor qualquer resistência e pedindo clemência. Posteriormente, a imagem dele morto, com a roupa ensangüentada e coberto de equimoses. O legista que examinou o cadáver de Muamar Kadafi assegurou que a causa de sua morte foi um tiro na cabeça, que atingiu a região temporal e saiu pela testa, e outro no estômago.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Em seguida também surgiram imagens de seu filho, Mutassem Kadhafi, em um cômodo, falando, fumando e bebendo água. Outros vídeos o mostram deitado, com a roupa tingida de sangue e depois morto com marcas de disparos.

Pai e filho foram trucidados, assassinados friamente após se renderem. Seus corpos foram exibidos como troféus e seus assassinatos narrados com histeria pelo monopólio das comunicações, exibidos para o deleite das hienas e abutres da reação. Uma mensagem clara do imperialismo e da reação para aqueles que pretendam seguir os passos da velha raposa líbia.

Do mesmo modo como deram sumiço com o corpo de Osama Bin Laden, a Otan desapareceu rapidamente com o corpo de Muamar Kadhafi, anunciando seu sepultamento em um lugar secreto, nas areias do deserto.

Imediatamente, Barack Obama se colocou à disposição do futuro novo governo títere da Líbia.

Após meses de bombardeios e destruição, o povo Líbio, subjugado durante anos por um governo de traição nacional, agora é submetido a um gerenciamento sob a batuta direta do imperialismo que armou e financiou seus 'rebeldes'.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro