Estudantes da USP exigem saída de reitor e da PM

Na noite de 27 de outubro, estudantes da USP entraram em confronto com policiais militares dentro do campus da universidade.

O protesto teve início quando a PM prendeu três estudantes, acusando-os de consumo de drogas.

Indignados com a presença da PM no campus e com a prisão dos jovens, os manifestantes reagiram. A polícia tem feito abordagens constantes nos alunos e, há meses, há protestos de estudantes contra o convênio firmado entre a reitoria e a PM na USP.

Segundo a reitoria, o acordo foi feito após a morte do estudante Felipe Ramos de Paiva durante tentativa de assalto em maio deste ano, mas os manifestantes denunciam que a presença da polícia tem um conteúdo estritamente político e repressivo, devido às intensas lutas estudantis que vêm sendo travadas nos últimos anos na USP contra o autoritarismo do reitor José Grandino Rodas.

Diante dos protestos estudantis, os policiais atiraram spray de pimenta, agrediram os alunos com cassetetes e bombas de efeito moral. Os estudantes responderam a repressão com pedras e ergueram barricadas com objetos de madeira na entrada do prédio da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – FFLCH.

Na mesma noite um grupo de alunos ocupou a sala da administração da FFLCH em protesto contra a presença da PM no campus.

O monopólio da comunicação, ao abordar a manifestação dos estudantes, tenta criminalizá-la utilizando o consumo de drogas como tema principal para justificar a presença policial e a truculenta repressão, mas o fato é que há muito uma grande parcela dos estudantes da USP, que inclusive já realizou ocupações de reitoria, exige a retirada da polícia da universidade. A prisão dos três estudantes foi só o estopim da revolta.

Os manifestantes continuam ocupando o prédio do FFLCH e afirmam que só sairão do local após a revogação do convênio da universidade com a PM.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin