Egípcios voltam às ruas por democracia popular


Multidão invade a praça Tahrir exigindo a saída de militares do poder

A partir de meados de novembro, uma semana antes do sufrágio parlamentar agendado pelo imperialismo, o Egito voltou a ser palco de grandes manifestações contra o autoritarismo e por uma democracia popular, já quase um ano depois de o imperialismo ter articulado para cavalgar as agigantadas revoltas que levaram ao escorraçamento de Hosni Mubarak do gerenciamento do capitalismo burocrático local.

Naquela feita, as potências se aproveitaram da falta de lideranças consequentes, aquelas que poderiam conduzir as massas da rebelião à revolução, para transformar o comando do exército egípcio, espinha dorsal das estruturas de dominação no país, em governo "provisório", de "transição" para um governo civil.

Agora, as massas tomam novamente a praça Tahrir, símbolo do que o monopólio da imprensa decidiu chamar de "primavera árabe", para exigir a saída imediata dos militares e denunciar a farsa eleitoral como mais um estratagema para perpetuar a exploração estrangeira e o parasitismo das elites.

Como Mubarak, os militares do governo "provisório" ordenaram uma feroz repressão às massas rebeldes. Com seis dias de intensos confrontos entre o povo e as "forças de segurança", 38 pessoas foram mortas e 3256 ficaram feridas (números oficiais do dia 24 de novembro).

Devido aos grandes protestos, o gabinete do gerenciamento interino nomeado pela Junta Militar renunciou, e os generais prometeram antecipar a formação de um governo civil, com a antecipação em seis meses das eleições presidenciais, com a promessa de um "governo de salvação nacional". As massas egípcias, entretanto, parecem conscientes de que tudo faz parte de mais uma manobra para manter inalteradas as estruturas burocráticas e opressoras do Estado, e não abandonam a praça Tahrir.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro