USP: "Fora PM, fora Rodas, por uma universidade democrática"

A Universidade de São Paulo tem uma greve geral estudantil em curso. Milhares de estudantes decidem em assembleias o caminho da luta por uma universidade democrática. A paralisação se estende aos cursos de Filosofia, Letras, História, Geografia, Ciência Sociais, Artes Cênicas, Artes Visuais, Audiovisual, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda, Jornalismo, Turismo, Educomunicação, Biblioteconomia, Música, Pedagogia, Pós-graduação, Arquitetura, Design, Física, IME e Veterinária. Nem a reitoria autoritária, as pressões do gerenciamento Alckmin, a repressão policial, a prisão de dezenas de estudantes e a odiosa campanha levada a cabo pelo monopólio dos meios de comunicação foram capazes de impedir que a luta se desenvolvesse e mantivesse suas bandeiras erguidas até hoje.

Na noite de 27 de outubro, estudantes da Universidade de São Paulo entraram em confronto com policiais militares no campus da universidade. O protesto teve início quando a PM prendeu três estudantes acusando-os de estarem consumindo drogas.

 Indignados com a presença ostensiva da PM no campus e com a prisão dos jovens, os manifestantes iniciaram um protesto. Os policiais atiraram spray de pimenta, agrediram os alunos com cassetetes e bombas de efeito moral. Os estudantes responderam à repressão com pedras e ergueram barricadas com objetos de madeira na entrada do prédio da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – FFLCH. Na mesma noite um grupo de estudantes ocupou a administração da FFLCH em protesto contra a presença da PM.

A polícia tem feito abordagens constantes nos alunos e, há meses, ocorrem protestos contra o convênio firmado entre a reitoria e a PM na USP. Segundo a reitoria, o dito convênio foi feito após a morte do estudante Felipe Ramos de Paiva durante tentativa de assalto em maio deste ano, mas os manifestantes denunciam que a presença da polícia tem um conteúdo estritamente político e repressivo, devido às intensas lutas estudantis que vêm sendo travadas nos últimos anos contra o autoritarismo do reitor João Grandino Rodas.

Um fato importante que foi apurado pelo comitê de apoio do A Nova Democracia em São Paulo, mas foi vergonhosamente omitido pelo monopólio dos meios de comunicação, é que mesmo antes do assassinato de Felipe Ramos a PM já fazia rondas na universidade e inclusive realizava blitz bem em frente local do crime.

Ao noticiar a manifestação, os jornalões e telejornais tentaram criminalizá-la utilizando o consumo de drogas como justificativa para a presença policial e a truculenta repressão, mas o fato é que há muito uma grande parcela dos estudantes da USP, que inclusive já realizou ocupações de reitoria, exige a retirada da polícia da universidade. A prisão dos três estudantes foi só o estopim da revolta. Mas as contradições se agravariam muito mais...


Assembleia da USP decide pela continuação da greve

A "democracia" do velho Estado

No dia 2 de novembro, estudantes de vários cursos ocuparam a reitoria da USP exigindo a saída imediata da polícia do campus, a saída do reitor Rodas e também o fim dos processos movidos contra estudantes em lutas anteriores. Exalando histeria, o monopólio das comunicações clamou por intervenção policial contra os "mascarados" que ocupavam a reitoria. Mais uma vez a luta por democracia foi reprimida pela PM. Por volta das 5 horas da manhã de 8 de novembro, cumprindo ordens do gerenciamento Alckmin (PSDB) e de João Grandino Rodas, um grande aparato policial sitiou a USP para retirar os estudantes à força.

Encapuzados (a polícia pode?), sem identificação e fortemente armados, policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais e soldados da tropa de choque atacaram os ocupantes. Simultaneamente, cercaram o Conjunto Residencial da USP para impedir que os estudantes residentes saíssem para se juntar aos manifestantes.

 Durante a truculenta desocupação da reitoria, uma jovem que tentou se desvencilhar dos policiais foi agredida, amordaçada e mantida presa em um cômodo. Os estudantes denunciaram várias agressões policiais. Após a desocupação, a PM apresentou garrafas dizendo se tratar de "coquetéis molotov" e os atribuiu aos ocupantes, o que foi veementemente negado pelos mesmos, que acusam a reitoria, o gerenciamento Alckmin e a PM de tentar criminalizar o movimento e imputar acusações de crimes comuns (crime ambiental, formação de quadrilha, desobediência civil e depredação de patrimônio público) quando se trata de uma luta política contra a presença policial na universidade e pela saída do reitor Rodas.

  O resultado da selvageria: 73 estudantes detidos, obrigados a assinar um termo de flagrante. Primeiramente foi imposta uma fiança de mais de mil reais para a liberação dos detidos, valor posteriormente reduzido para R$ 545. Em mais uma de suas demonstrações antidemocráticas, Alckmin chegou a dizer que "os estudantes da USP deveriam ter uma aula de democracia", e para dar sua esperada "lição" enviou a polícia.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A verdadeira democracia

Centenas de estudantes fizeram uma manifestação em frente ao 91º DP, na zona Oeste de São Paulo, em solidariedade aos companheiros presos.

Como de costume, o monopólio das comunicações atacou o movimento estudantil da USP, omitindo suas justas reivindicações. Particularmente a revista Veja e a rede Globo desencadearam campanhas virulentas ao longo dos últimos dias na tentativa de desqualificar a luta estudantil, utilizando o pano de fundo do "consumo de drogas" e tachando os estudantes como "mimados revoltados",  desinformando a população, buscando isolar o movimento e criminalizá-lo.

 No dia 8 de novembro, mais de dois mil estudantes decidiram deflagrar uma greve geral reivindicando a saída da PM do campus, a saída imediata do reitor e pelo fim dos processos movidos contra os 73 presos durante a reintegração da reitoria.

No dia 10 um grande protesto reuniu cerca de oito mil. No dia 24 uma nova manifestação reuniu mais de mil estudantes da USP e de outras instituições na praça Oswaldo Cruz, próximo a Avenida Paulista.

Apesar dos sucessivos protestos, a reitoria mantém-se intransigente e incrementou ainda mais o aparato de repressão autorizando a instalação de uma base da PM no campus universitário com um efetivo de 44 policiais.

No dia 28 de novembro, o reitor João Grandino Rodas não compareceu à reunião realizada na Assembleia Legislativa que discutiria as denúncias de agressões policiais e a presença da PM no campus. Centenas de estudantes o aguardavam com palavras de ordem de protesto.

Os amplos setores democráticos da universidade repudiam a política da reitoria, que aciona as forças de repressão, alegando que a USP é uma "cidade universitária" e por isso teria "problemas de segurança".

Se a direção da universidade garantisse que o campus funcionasse, se sua estrutura de fato servisse à comunidade acadêmica, se houvessem cursos noturnos, o estímulo à realização de atividades culturais, iluminação, etc., haveria, consequentemente, movimento de pessoas, o que impediria que a ‘cidade universitária’ se transformasse no local ermo e mal iluminado que é hoje.

Dezenas de organizações estudantis, diretórios centrais, centros acadêmicos, sindicatos e personalidades democráticas manifestaram solidariedade enviando mensagens e participando das mobilizações por democracia na USP. Aquela luta que era tachada pela reação como "baderna de um pequeno grupo de mimados", repercutiu nacional e internacionalmente. Em tempos negros de loas ao Estado policial e de criminalização da pobreza e dos lutadores populares, a luta dos estudantes da USP, bem como da recente e vitoriosa luta dos estudantes da Universidade Federal de Rondônia por uma universidade democrática, são um clarão acalentador.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro