Mais números da devastação capitalista na China

A- A A+

A situação das classes trabalhadoras na China se agrava à medida que a grande burguesia local e os monopólios internacionais acirram ainda mais a superexploração imposta ao proletariado para, em tempos de aprofundamento da crise geral do capitalismo, tentar manter seu status de "fábrica do mundo".


Operárias protestam na fábrica Hi-P após demissão de 650 trabalhadores

Como o povo sabe muito bem, é da natureza dos seus inimigos de classe tentar manejar as massas para atender às conjunturas do mercado. Na China atual — a China administrada por fascistas que se apoderaram daquele que um dia, sob a liderança do presidente Mao Tsetung, já foi de fato um Partido Comunista de vanguarda —, como em outras nações ditas "emergentes", esta premissa capitalista aliada à conjuntura do agravamento da crise vem aprofundando dramaticamente as contradições entre a cidade e o campo. Os números sobre o campo chinês estão aí para comprovar: somente na última década, segundo o próprio governo chinês, entre 100 e 150 milhões de pessoas deixaram o campo em direção às cidades.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira