Acerca da polêmica no seio do MST, MTD, Consulta Popular e Via Campesina

A- A A+
 

Em novembro último, um grupo de 51 ativistas e militantes do MST, do MTD, da Consulta Popular e da Via Campesina, assinou uma carta de saída destas organizações e do projeto estratégico defendido por elas. Para os subscritores da carta, essas organizações foram constituídas sob uma proposta de luta pela reforma agrária e pelo socialismo, porém a prática desenvolvida por elas levou a caminhos opostos ao pretendido inicialmente.

Para eles "Agora nossas organizações, cada uma a seu tempo e não sem contradições, estão dependentes do capital e seu Estado. As lutas de enfrentamento passaram a ameaçar as alianças políticas do pacto de classes, necessárias para manter os grandes aparelhos que conquistamos e construímos. O que em algum momento nos permitiu resistir e crescer, se desenvolveu de tal maneira que se descolou da necessidade das famílias e da luta, adquirindo vida própria. O que viabilizou a luta, hoje se vê ameaçado por ela: o que antes impulsionava a luta, passa a contê-la". Consideram, ainda, que estas organizações mais os partidos políticos e as principais centrais sindicais se envolveram de tal forma em um projeto de desenvolvimento pró-capital que tornou-se um caminho sem volta.

Em resposta ao documento dos 51, Fátima Sandalhel, pela Consulta Popular, afirma que "O conteúdo das críticas apresentadas pela ‘Carta’ revela que sua divergência é com a atualidade das tarefas chamadas de ‘democráticas e populares’ na estratégia da Revolução Brasileira", acrescentando que suas posições "Na verdade se identificam com uma concepção estratégica que não é nem um pouco nova, esteve presente e foi vencida em todos os processos revolucionários triunfantes do século XX, sobrevivendo apenas na teoria e em debates acadêmicos, agora ressuscitados neste momento de rearranjo da esquerda brasileira".

Para a direção regional do MST-RS "este desligamento é expressão do processo de encruzilhada histórica em que se encontra a esquerda brasileira e a militância social, que verifica adesão inconteste e acrítica ao novo ciclo de desenvolvimento capitalista e à via institucional parlamentar e o completo abandono do trabalho popular e de organização do povo brasileiro e da classe trabalhadora".

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja