Dançando na latada

A- A A+

Nascido e criado no alto sertão pernambucano, o cantor e compositor Josildo Sá se prontifica em levar a cultura que vivenciou ainda menino, o samba de latada, para todo o resto do país. Considerando o sertão como a essência para sua musicalidade, transforma os palcos por onde passa em verdadeiras palhoças, onde aconteciam os sambas ou os bailes populares do povo sertanejo, misturando os mais variados ritmos nordestinos e de outras partes do país.

— O samba de latada é oriundo do interior do sertão daqui de Pernambuco. É uma tradição bem antiga erguer um palhoção nas casas das fazendas para que as pessoas façam festas embaixo. Levanta-se umas forquilhas e cobre-se com folhas de flandres ou latas de querosene, por isso é chamado latada. Mas quando falamos samba não quer dizer que é o ritmo samba, e sim uma palavra que significa festa — explica Josildo.

— Pelo sertão, quando alguém dizia 'vamos para um samba', estava dizendo 'vamos para uma festa'. No samba de latada se tocava coco, forró, bolero, seresta, o samba mesmo, enfim, se tocava de tudo. Muitos estilos cabem em uma latada. Isso acontece até hoje. O samba de latada é exatamente essa mistura, mas também é um ritmo. Entre outros, quem trabalhava muito com ele era Jackson do Pandeiro, misturando samba com forró — continua.

Josildo vivenciou bem de perto os sambas de latadas que aconteciam em sua própria casa.

— Fui criado em uma fazenda, que era dos meus avós e foi passando de geração em geração, até que recentemente a herdei e estou residindo. Lá meus familiares faziam a latada, com um encontro de músicos muito forte, quem tinha sanfona trazia, quem tinha triângulo trazia, violão trazia, e assim por diante. Construíamos a palhoça, cobríamos com latas de querosene Jacaré, meu avô matava boi, vinham os parentes, o pessoal da região e começava a festa — lembra.

— E tinha um momento na latada que a poeira começa a subir, de tanto o povo dançar. E isso era ruim para os cantadores, já que nem tinha microfone, era tudo acústico. Então parava-se tudo e enquanto alguém cobrava a cota com um chapéu na mão, pedindo que cada um desse o que pudesse, outro aguava o chão, jogando água para a poeira baixar e poder começar o samba novamente — fala Josildo, acrescentando que a cota ficava no lugar de ingresso do baile.

— O samba de latada também era muito comum quando se ia fazer um processo chamado 'tapagem das casas'. Eram aquelas casas de pau a pique, de barro com madeira, e as pessoas ficavam dançando o coco, e cantando, para poder nivelar o chão, deixá-lo bem lisinho, parecendo de cimento. Esse tipo de coco dançado nas construções das casas do povo é uma das importantes características do sertão, e essa tradição veio se misturar na latada no momento em que se vai aguar o chão e dançar por cima — expõe.

As raízes e parceria com Paulo Moura

Segundo conta, Josildo cresceu no meio da liberdade musical da latada e trouxe isso para sua musicalidade, não tendo limites na hora de compor e cantar, claro, dentro da cultura da sua região, os ritmos do Nordeste, as danças indígenas.

— Trabalho sempre as raízes nordestinas, a minha história. E a minha história é sertão, a minha história é sertão do Pajeú, do Riacho do Navio, do Rio São Francisco, do vaqueiro, dos cantadores de viola, dos declamadores, dos poetas sertanejos — declara.

— Essa é a minha fonte, é onde eu vivo, onde moro, o que sou. E daí me comunico com outras formas de arte, com outros ritmos, como o samba carioca, por exemplo. Temos a nossa história, a respeitamos e a unimos com a história de outras pessoas. Acredito que fica muito bom e só temos a ganhar unindo as riquezas culturais do nosso país — continua.

— Lancei meu primeiro disco em 1998, o Virado num paletó velho, um CD de forró. Depois veio o Coreto, onde já trabalhei a questão do samba de latada, misturando o samba com forró. Meu terceiro disco veio de forma bem especial: havia conhecido o maestro e clarinetista Paulo Moura no Rio de Janeiro e ele se interessou pelo meu trabalho, e se prontificou em me ajudar num próximo projeto. Assim o convidei para fazer uns shows em Recife, e lançamos o Samba de latadacomenta.

O disco foi distribuído em todo o país, rendendo a Josildo indicação para prêmios e participação em festivais.

— Paulo Moura foi muito importante em minha vida, porque através dele o mundo veio a conhecer o samba de latada. Por ser um grande maestro e um dos maiores músicos desse país, deu visibilidade ao projeto. Aproveitando o trabalho que fizemos juntos, lancei em dezembro passado o Samba de Latada ao vivo, um CD e um DVD, com imagens maravilhosas do Paulo Moura — conta Josildo, acrescentando que é uma homenagem ao parceiro que faleceu em julho de 2010.

— No momento estou com shows do meu quinto CD, Tem frevo na latada, onde peguei toda minha banda e juntei-me ao caixa e aos metais do frevo. Tenho uma banda completa para fazer o samba de latada, composta por sanfona, triângulo, zabumba, percussão, cavaquinho, clarinete, flauta, sax, contrabaixo, bateria e vocais. Entre outras já fizemos turnê em São Paulo, nos apresentamos no teatro Rival, no Rio, e em muitas outras partes — finaliza.

Para contatar Josildo Sá: www.josildosa.com.br


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja