Greve na Espanha contra o desemprego e o trabalho precário

http://www.anovademocracia.com.br/88/cp3.jpg
Povo espanhol vai às ruas contra a reforma trabalhista, em 29 de março

A contundência da greve geral do último 29 de março contra a recente promulgação da Lei de Reforma Trabalhista, na Espanha, foi expressa com a presença de centenas de milhares de trabalhadores espanhóis nas ruas.

Dessa maneira, o povo espanhol se manifestou contra uma lei que pretende uma maior precarização do trabalho e dá muitas facilidades aos donos das empresas para que demitam de maneira rápida e barata os trabalhadores, retirando direitos conquistados nas últimas três décadas.

A reação da polícia espanhola foi violenta, cerca de duas centenas de pessoas foram presas, agressões à direita e à esquerda em todas as cidades do país, deixando um saldo de mais de cem feridos.

A greve foi massiva, em especial, no País Basco, Navarra e Galícia; enquanto em Madri e Barcelona os trabalhadores tiveram jornadas combativas. Em Barcelona, houve enfrentamentos entre manifestantes e o esquadrão policial de elite, os "Mossos d’Esquadra". Sem dúvida, as recentes medidas econômicas buscam empurrar a crise aos trabalhadores sem colocar um dedo em cima dos bancos espanhóis, prova disso é a Lei de Reforma Trabalhista, do governo do conservador Mariano Rajoy, militante pró-franquista do Partido Popular, com apenas cem dias de governo.

De fato, o que mais se vê são casos e casos de pessoas que fizeram empréstimos bancários para adquirir casas e que agora engrossam o setor de desempregados e, ao não poderem pagar os empréstimos, perdem a propriedade de suas casas, são despejados e continuam em dívida financeira com os bancos. Os bancos, além de ficar com os imóveis, depois de desvalorizá-los, continuam cobrando o restante do empréstimo e impõem juros altíssimos sobre a dívida.

Até final dos anos 90, um texto de Viviane Forrester, "O horror econômico"1, anunciava que o trabalho estava em vias de extinção. A autora francesa se referia ao trabalho concebido como emprego, como um posto de trabalho merecedor de direitos, benefícios e de todas as conquistas sociais conseguidas com luta pelos trabalhadores desde o início do capitalismo.

O debate sobre o desaparecimento do trabalho é um tema que vem sendo discutido nas últimas décadas. Alguém como Jeremy Rifki, em algum momento, insinuou que o desaparecimento do emprego era consequência do desenvolvimento tecnológico. Ele opinava que as máquinas estavam substituindo paulatinamente os trabalhadores2.

O professor brasileiro Ricardo Antunes se encarregou de esclarecer que por mais que o trabalho desaparecesse como postos de trabalho com direitos, sem dúvida ele voltava a aparecer transformado em trabalho precário, carente de todo beneficio social (3). Assim, vemos que a extinção dos postos de trabalho, produto do avanço tecnológico, na verdade, não implica no desaparecimento do trabalho. Também não podemos ser levados a pensar que a tecnologia é a chave mestra que quebra o ritual cíclico do assalto permanente do botim capitalista, chamado mais-valia, quando está claro que o capitalismo só poderá ser derrotado com lutas, em diferentes lugares e níveis. Por isso, é um absurdo pensar que o desenvolvimento tecnológico livrará a humanidade da exploração capitalista.

Nas últimas décadas, a precarização do trabalho tem sido evidente em todo o chamado terceiro mundo, a mesma que implica um retrocesso no mundo do trabalho, das conquistas trabalhistas, exemplificadas no retorno ao trabalho domiciliar, entre muitas outras coisas expostas por Karl Marx detalhadamente em "O Capital".

E é justamente isso o que Rajoy tenta fazer agora na Espanha, promovendo – como texto não incluído na Reforma Trabalhista – a proliferação dos trabalhadores autônomos, "micro-empresários", ou trabalhos com remunerações de quatrocentos euros por mês, quando o salário mínimo legal em toda Espanha é de seiscentos euros mensais, um dos mais baixos de toda a Europa.

________________________
Notas:

1 Forrester, Viviane. El horror económico. México D.F.: Fondo de Cultura Económica; 1997.

2 Antunes, Ricardo. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo; 1999.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro