Editorial - Cativeiro, rebelião operária e fascismo

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/89/02.jpg

A situação dos trabalhadores nas obras do PAC e da Copa do Mundo, principalmente nos grandes canteiros das usinas de Jirau, Santo Antônio e Belo Monte, não podia ser pior. As constantes revoltas operárias têm derrubado o mito do progresso e do crescimento do país e exposto as condições degradantes de trabalho nas obras. E tem ainda posto à prova a organização dos trabalhadores, que tendo seus mais elementares direitos desrespeitados, não podem contar com o mais mínimo apoio de seus sindicatos, comprometidos como se acham com as empreiteiras e com a gerência petista.

Mas essa realidade é mais sinistra ainda. Nestas obras foram acantonados dezenas de milhares de operários trazidos de todas as partes e nelas está em vigência um sistema de cativeiro, onde toda sorte de abusos é praticada descaradamente. Os operários e demais funcionários são treinados para chamar a si próprios e a seus companheiros de "colaboradores", enquanto as mais flagrantes situações de humilhação, de privação da liberdade e de intimidação e ameaças de capatazes e policiais são práticas corriqueiras. À inevitável e justa revolta dos trabalhadores frente a tão protervo e esbulhador regime de cativeiro, não poderia ser outra a resposta que a repressão dos capitães-do-mato contra a turba e o tronco e o chicote da Casa Grande contra os cabeças. E ato seguinte, pelos meios de comunicação monopolistas o mais rançoso, rampeiro e covarde linchamento moral dos bravios e honrados operários da construção. Não?

Onze operários se encontram encarcerados no hediondo presídio Urso Branco (anexo "Pandinha"), em Porto Velho, Rondônia, após a greve de março e o incêndio dos alojamentos, imputado sem prova alguma ao grupo de trabalhadores, que com a mesma razão da imensa maioria dos grevistas, indignou-se com a venda da greve pelos pelegos da CUT e do Sindicato dos trabalhadores na Construção Civil de Rondônia (Sticcero). Mas é muito mais grave, há denúncias de que foram sequestrados e mantidos em cárcere privado no interior do canteiro de obras da usina por dois dias, incomunicáveis e sem receber nenhum tipo de alimentação. Neste caso, o Sticcero ajudou não só a acusar os operários, como apontou para a polícia as lideranças, que seriam "vândalos e criminosos" por não aceitarem sua torpe atuação na greve.

Após a greve, sobreveio também uma onda de demissões em massa – tipificadas por justa causa – com mais de mil trabalhadores indo parar no olho da rua. Eles irão muito provavelmente alimentar a cadeia de subcontratações em outras obras, caindo nas garras de "gatos" e outros esquemas mafiosos de agenciamento de força de trabalho. Um possível atraso nas obras também não seria tão ruim para a Camargo Correia e GDF-Suez, já que para concluir no prazo podem contar com infinitos aditivos contratuais que lhes trarão outros bilhões em financiamento. No caso de Jirau, o orçamento já subiu de R$ 8,9 bilhões para mais de R$ 15 bilhões. E assim seguem em movimento essas máquinas de moer gente em que se tornaram as grandes obras alardeadas por Luiz Inácio e Dilma.

Péssima também é a situação dos trabalhadores da WPG, empresa terceirizada em Jirau, que os abandonou à própria sorte, sem ao menos dar baixa em suas carteiras de trabalho. Como se fosse o sindicato patronal, o Sticcero defendeu a WPG, propondo o pagamento apenas dos dias trabalhados, e não até o dia da demissão com baixa na carteira, o mínimo que protegeria os operários, que são de outros estados e têm famílias para sustentar. Ademais, o sindicato cortou o pagamento do hotel onde os trabalhadores estavam hospedados, deixando os cerca de 60 trabalhadores praticamente ao relento nas ruas de Porto Velho.

Mas essa vilania do Sticcero não é uma particularidade dele, senão que emana do próprio oportunismo na gerência do Estado, que usa a cúpula do sindicalismo de Estado da CUT como correia de transmissão no atropelo dos mais elementares direitos dos trabalhadores.

As figuras de proa da gerência FMI/PT, como o Sr. Gilberto Carvalho, se esmeram para garantir às empreiteiras e demais monopólios os lucros prometidos, bem como para assegurar as doações de campanha para seus candidatos neste ano de farsa eleitoral e as prebendas outras do ofício. Para tanto, não titubeiam em atropelar quaisquer direitos trabalhistas e em tratar as greves e protestos operários como questão de polícia. No caso de Jirau, a Força Nacional de Segurança e outras polícias e serviços de informação estão protegendo as obras e reprimindo os trabalhadores ostensivamente.

Em Belo Monte a situação não é melhor. As greves se sucedem e o mesmo método policial é utilizado pelo governo para reprimir os trabalhadores. Em todos os casos, entretanto, as direções pelegas dos diferentes sindicatos pretendem descaracterizar a mobilização operária como sendo provocada por agentes externos, como jornalistas, organizações classistas, etc.

Isto porque, dizem, as obras são "estratégicas". São estratégicas para a contra-propaganda do oportunismo na gerência do velho Estado, que a todo momento reverbera a "criação de empregos" e "distribuição de renda" de seus projetos anti-operários. Este sim é o modelo de "desenvolvimento" e "crescimento" que PT, PCdoB, PSB, PMDB e outros conhecem e se gabam de ser promotores.

Além disso, a gerência Dilma trata de reunir permanentemente em seus "gabinetes de crise", representantes das centrais e sindicatos governistas, das empreiteiras, do judiciário, etc. Só não se prestam a atender às demandas dos trabalhadores que têm que trabalhar a milhares de quilômetros de suas famílias, com péssimos salários, alojamento, alimentação, plano de saúde, etc. Some-se os constantes "acidentes" de trabalho e até mesmo assassinatos de operários pela polícia.

Para a atual gerência do velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro trata-se de assegurar que as obras não parem, nem que para isso tenha-se que apontar fuzis para as cabeças dos operários; de garantir o lucro máximo para as empreiteiras e monopólios nacionais/transnacionais; de atropelar qualquer tipo de direito trabalhista ou das populações indígenas e ribeirinhas vizinhas a esses projetos. Tudo isso azeitado com fartos recursos do BNDES, que é quem financia essa bandalheira toda para o lucro de construtoras e transnacionais da área de energia, que vão operar o sistema.

Qualquer semelhança com o fascismo não é mera coincidência! Mas nem mesmo o fascismo sofisticado pode impedir a luta contra a exploração e opressão, senão que empurra as massas para o combate.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja