Homenagem ao Iraque

A- A A+
Pin It
Quando digo "homenagem ao Iraque", expresso minha profunda consternação pela agenda criminosa a que tem sido submetida esta terra. Incluo aí a esperança de que a vitória dos povos do Oriente Médio possa conduzir à liberdade verdadeira e o desejo de que a fênix, um dia, renasça das cinzas. Afinal, a águia é o emblema do Iraque. A própria bandeira do país, constituída pelas três cores da "opus magna" (o branco da origem, o vermelho da exaltação e o negro da dissolução), indica a vocação de morrer e renascer infinitamente.

Sedimentando, às margens do Tigre e do Eufrates, a Mesopotâmia e, muitos milênios depois, o Califado, que desde Baghdad, inundaria o mundo, a alma do povo iraquiano sempre demonstrou uma consciência inexaurível das possibilidades de reengendramento da vida e da morte. O próprio significado das "Mil e Uma Noites" designa o ciclo interminável do eterno retorno. Sobrepondo-se às cores da bandeira brilham as três estrelas verdes (Unidade, Liberdade e Socialismo) e o lema: Allah hu Akbar!"— Deus é Maior — indicando que, além da contingência, Ele permanece.

Alguns mitos falaciosos e equivocados serviram de legitimação arbitrária para a guerra. Em primeiro lugar, a acusação sobre o uso de "armas químicas". O Iraque admitiu o uso de armas químicas para pôr fim ao conflito de oito anos com o Irã, no momento em que a infantaria iraniana ameaçava assolá-los. A verdade é que as potências do primeiro mundo reivindicam o monopólio exclusivo destas armas. Sob a cobertura da "ameaça química iraquiana" — cujo precedente foi o ataque à aldeia curda de Hallabja, terminantemente negado pelo vice-primeiro ministro Tarik Aziz e pelo professor da Escola Superior de Guerra dos EUA, Stephan Pelletière — oculta-se o crime das Nações Unidas ao aprovar, na guerra do Golfo de 1991, o lançamento de mais de 300 toneladas de urano empobrecido sobre Basra, no sul, levando à morte lenta milhares de pessoas, por câncer, leucemia e deformações várias. Desde então, o país tem sido bombardeado pela aliança anglo-americana, ininterruptamente, com armas não convencionais. Além disso, despejou-se sobre as lavouras todo tipo de germes e vírus, contaminando, assim, a agricultura local e a água potável.

Agora vem o "golpe de misericórdia". Esses bombardeios atingiram as chamadas "zonas de exclusão aérea", contrárias à lei internacional, pois o Iraque teria direito à defesa sobre aqueles 2/3 do território. Passo a passo, a soberania do país foi minada, com fins à recolonização e redesenhamento do mapa geopolítico do Oriente Médio, sob a hegemonia de Israel.

Ao nacionalizar o petróleo em 1972, o Iraque quis garantir, com isso, sua emancipação econômica, bem como reverter, pelo socialismo, a distribuição da riqueza ao povo, mediante os serviços gratuitos de saúde, medicamentos e educação. A República Popular Democrática do Iraque, visou, desde a revolução de 68, garantir a seus cidadãos, homens e mulheres, igualdade de direitos, sem distinção confessional ou tribalista, bem como arremessar a vanguarda da luta pela libertação dos povos árabes, incluindo a Palestina. Tentando evitar isso, a Cia insuflou rebeliões no norte e no sul, para desestabilizar o governo central, aplicando a velha tática de "dividir para reinar". Dizer que os EUA querem levar a "democracia" ao Iraque é, no mínimo, uma piada. Sua meta é privatizar a grande estatal iraquiana,fazendo do país, o negócio do século.

O embargo econômico que a ONU ainda permite durar — na verdade, uma guerra biológica, histórica e civilizacional — demoliu sistematicamente todo o progresso que o Iraque havia conquistado antes.

A imagem midiática daquela terra é a de um deserto com poços de petróleo. Mas ali existem mais de 500 mil sítios arqueológicos e monumentos inestimáveis: Mossul, rica por suas igrejas e mosteiros do século XIII; Najaf e Kerballah, cidades-santuários xiitas, que abrigam tumbas do Imam Ali e Al-Hussein, da família do Profeta, as figuras mais veneradas por todos os muçulmanos. Cada pedaço do Iraque é uma relíquia onde se sobrepõem camadas imemoriais. Na última guerra do Golfo, museus foram saqueados, entre eles, o grande Museu de Baghdad, tendo desaparecido milhares de peças de valor incalculável, fato que hoje se repete em proporções catastróficas.

Obras arquitetônicas como o zigurat de Ur, o arco sassânida de Ctesifonte, mesquitas preciosamente talhadas com revestimentos de ouro, universidades seculares, como Al-Mustansiria, tudo tem sido danificado e agora, mais uma vez, agonizam. O governo pediu a colaboração da Unesco em 1991, mas esta lhe foi negada. Um trabalho gigantesco foi feito por Saddam Hussein, antes da atual guerra, para esconder e proteger os valiosos tesouros do país — tão importantes quanto os do antigo Egito. Para Saddam e para o partido Baath (renascimento) — pois seu objetivo é o renascimento da Nação Árabe — as relíquias arqueológicas e os monumentos históricos são o ponto de partida para reivindicar sua identidade cultural.

Hoje vemos a destruição chegar ao ponto culminante. As ruínas da Babilônia foram arrasadas. Saqueadores e incendiários (chamados de Ali Baba), comprometidos com os invasores, atearam fogo à Biblioteca Nacional de Baghdad e à Biblioteca de Alcorões, na deliberação criminosa de apagar a memória do Iraque, tanto dos tempos primordiais, como do Islam. Por detrás do vandalismo ianque, esconde-se o complot milenar do sionismo internacional, que finalmente, após dois mil e quinhentos anos de espera, vai à desforra, vingando-se da destruição de Jerusalém pelo rei Nabucodonosor, hoje comparado a Saddam Hussein. Isso equivale a jogar o país no "tempo zero", a decapitar, sinistramente, o seu papel na história para beneficiar a nova ditadura da coca-cola. Pergunta o jornalista Robert Fisk, ( The Independent ): "Quem mandou os incendiários? Quem quer destruir a identidade deste país?"

A ciber-guerra tecnológica contra a terra onde surgiu a escrita e onde o Islã atingiu o apogeu, implica numa "Nova Ordem Mundial" que deseja apagar os vestígios do passado e sabotar seu novo ímpeto.

Lixo radioativo foi reempregado pelo exército invasor. Um povo antigo, cheio de sentimentos, fé, paixões, ideais e orgulho de suas origens, ainda resiste. A abaya negra das mulheres do Iraque logo se transformará num símbolo de luto para toda a humanidade. Mas as raízes do povo da Mesopotâmia estão solidamente cravadas nas fundações do tempo. Esperamos que renasçam ainda. Já cerca de um ano antes desta guerra, Saddam escreveu: "Os bárbaros desta era desejam aniquilar a ' mãe da civilização'. Digam-lhes numa voz clara e alta: Ó demônios, erradicai vossas abominações contra nós, nosso museu vivo, testemunho e celeiro dos profetas, como Abraão. Digam-lhes para deixar nosso povo construir, construir até o topo e trabalhar para uma cooperação frutífera e pelo amor entre os homens. A despeito das feridas e injúrias lançadas à filha dos árabes (Baghdad), a tocha de luz para a humanidade prevalecerá, sua face esplêndida, cintilante, incandescente na fé, saudável e intocada pela desonra." (Saddam Hussein, 2002, discursos)

Mesopotâmia1 

Era uma vez, a "terra entre dois rios":
um arabesco ornado pelo vento,
porto de antigos sonhos e navios...
flor consagrada no jardim do tempo!

Tal terra foi chamada "paraíso":
bíblico berço incólume da História!
Ali se ergueram torres cujo piso
subiu ao alto cume em toda a glória!

Mas o Ocidente bárbaro e hostil,
sem leme, sem raízes, nem passado,
deitou à areia a água do cantil
que à humanidade havia saciado!

É o videogame, a tecnologia
rasgando a alma árabe, a mais secreta,
é essa cultura da selvageria
que abafa a voz eterna do Profeta!

O grito da Jihad, então, virá...
e todo o mundo islâmico há de inflamar:
"Meu sangue e vida dou por Baghdad!"
Deus é Maior! "Allah hu Akbar!"

E os Anjos do Senhor, em altos brados,
irão abrir as portas de Babel2,
louvando o sangue mártir derramado
dos fedayin3 em luta para o Céu!

*Professora de estudos Orientais, História da Arte e Civilização Islâmica)
1 mesopotâmia: "terra entre rios"
2 Babel: "porta de Deus"
3 fedayin: "os que se sacrificam"

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja