França e Grécia: pá de cal nas eleições burguesas

http://www.anovademocracia.com.br/90/16-b.jpg

A realização de mais uma rodada de farsescos sufrágios na Europa ora assolada pela "crise da dívida" evidencia, talvez mais do que nunca, que a eleição sob a égide da burguesia, não obstante classificada com entusiasmo pelos propagandistas do sistema de exploração do homem pelo homem como "festa da democracia" até bem pouco tempo atrás, é por natureza viciada. Algo que expressa apenas a vontade do poder econômico, antes e em vez da "vontade do povo".

Isso porque as farsas eleitorais realizadas em maio na França e na Grécia atestam que, à medida que a crise geral se aprofunda, os Estados geridos por funcionários dos monopólios eleitos "democraticamente" pela via do sufrágio burguês se concentram cada vez mais em atender às demandas da burguesia e dos financistas por maior margem de manobra em sua busca desesperada por alguma sobrevida.

Em outras palavras: a eleição do "socialista" François Hollande na França e da "esquerda" na Grécia mostram, de uma vez por todas, que não importa a coloração política de quem se apresenta pedindo votos às massas; não é relevante que as forças políticas que aderem ao jogo partidário da democracia parlamentar eventualmente se apresentem, durante o teatro eleitoreiro, como contrapontos à situação ou ao statusquo; de nada adianta as promessas mil de melhorias das condições gerais de vida dos trabalhadores feitas à população diante das câmeras enquanto se assinam acordos nos bastidores com os maiores inimigos do povo.

Independentemente do resultado das urnas, as políticas antipovo vão continuar a ser implementadas a partir de Atenas e Paris da mesma forma como eram antes, como ora o são de maneira impiedosa nas nações europeias "governadas" pelas mais variadas facções eleitoreiras que se acotovelam para conquistar a preferência dos monopólios para executarem o trabalho sujo nas administrações dos Estados burgueses.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin