Professores e estudantes das universidades Federais em greve nacional

A- A A+

Greve contra o desmantelamento da universidade pública

http://www.anovademocracia.com.br/90/11-a.jpg
Assembleia durante a qual os docentes da UFPE aprovaram a greve

No dia 15 de maio os professores da Universidade Federal do Vale do São Francisco – Univasf, em Pernambuco, já haviam paralisado as aulas. No dia seguinte os docentes da Universidade Federal da Paraíba – UFPB e Universidade Federal de Campina Grande – UFCG também deflagraram greve. Em 17 de maio, a paralisação dos professores da Universidade Federal do Paraná levantou as palavras de ordem da reestruturação da carreira dos docentes nas universidades federais, de reajuste salarial e contra o desmantelamento da universidade pública, ganhando repercussão nacional. Nesse mesmo dia a greve foi deflagrada em 30 instituições.

Assembléias repletas de estudantes e professores se sucederam. Demandas de greves anteriores não cumpridas pelos gerenciamentos de turno ou reitorias antidemocráticas foram levantadas uma a uma e somadas em uma ampla pauta de reivindicações que não dizem respeito apenas a medidas econômicas. O que está em jogo é o combate aos sucessivos ataques à universidade pública brasileira, entre eles:

  • a defasada e quase inexistente assistência estudantil,
  • as precárias condições das salas de aula e laboratórios,
  • o estado lastimável dos hospitais universitários,
  • a falta de verbas para pesquisa e extensão,
  • os baixos salários de professores e funcionários,
  • a falta de democracia,
  • a imposição do Reuni - decantado projeto de "Reestruturação e Expansão das Universidades Federais" - que determina a expansão vagas nas universidades sem propiciar estrutura adequada para as atividades acadêmicas, etc.

Em 21 de maio o Comando de Greve do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - Andes-SN divulgou nota dirigida à sociedade brasileira.

"Por que os(as) professores(as) das instituições federais estão em greve?

Os(as) professores(as) federais estão em greve em defesa da Universidade Pública, Gratuita e de Qualidade e de uma carreira digna, que reconheça o importante papel que os docentes têm na vida da população brasileira. O quadro é muito diferente do que o governo noticia. Existem instituições sem professores, sem laboratórios, sem salas de aula, sem refeitórios ou restaurantes universitários, até sem bebedouros e papel higiênico, afetando diretamente a qualidade de ensino."

Por fim, o texto convida a todos a se juntarem na luta iniciada pelos docentes. "Essa batalha não é só do (as) professores (as), mas de todos aqueles que desejam um país digno e uma educação pública, gratuita e de qualidade".

Em 22 de maio a greve já se estendia por 43 das 59 universidades federais. Aderiram ao movimento os professores do Centro Federal de Educação Tecnológica - CEFET de Minas Gerais, do Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG e do Instituto Federal e Tecnológico do Sudeste de Minas Gerais e outros institutos técnicos federais de outras regiões do país passaram também a engrossar a luta. E assembléias estão convocadas em outras instituições.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Gerenciamento oportunista ataca

Em 23 de maio, o ministro da educação Aloísio Mercadante (PT) atacou o movimento apelando para a sua suspensão, taxando-o de "precipitado". Esquivando-se de suas responsabilidades, o ministro declarou que "quem cuida disso (das reivindicações da greve) é o (ministério do) Planejamento", e que não vê "o porquê de uma greve neste momento, neste cenário em que o governo demonstra todo interesse em cumprir o acordo e há tempo para negociar". Rebatendo as afirmações de Mercadante, a presidente do Andes, Mariana Barbosa afirmou que os docentes estão "em negociação desde agosto de 2010 e até o momento não se avançou em nada na mesa em termos de alteração da proposta governamental sobre reestruturação de carreira".

A grave crise enfrentada pelas universidades públicas brasileiras é reflexo de décadas de descaso. E isso não se alterou com a gerência PT-FMI. Basta levantar os números do orçamento anual do gerenciamento Rousseff em 2011, que destinou ínfimos 2,99% dos recursos da união para a educação. O Orçamento de 2012 destinará apenas 3,18% do total dos recursos para educação. [fonte: Novamente previsão é de gastos seis vezes maiores com o pagamento da dívida pública do que com saúde e educação juntos. Raquel Júnia - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)].

Enquanto o Reuni é imposto goela abaixo, apesar da resistência e luta dos setores democráticos das universidades, até dezembro de 2011 apenas 46% das obras previstas pelo plano de reestruturação e expansão das universidades – Reuni –, datado de 2007, haviam sido concluídos.

Com o passar dos dias, docentes de outras instituições somaram-se ao movimento, ampliando para 49 o número de universidades em greve. O ministro Mercadante tentou apelar para a dramatização afirmando que "uma paralisação como essa traz muitos prejuízos para um milhão de alunos. A sociedade investe pesado para sustentar as universidades federais" [fonte: Agência Estado em 25 de maio de 2012].

A resposta para o descaso e os ataques do governo foi mais luta.

http://www.anovademocracia.com.br/90/11-b.jpg
Estudantes da Univesidade Federal de Viçosa, MG, aprovam greve

Começa a greve estudantil

http://www.anovademocracia.com.br/90/11-c.jpg
Estudantes da UFRJ aprovam greve

Em uma massiva assembléia realizada em 16 de maio na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, os estudantes já haviam decidido deflagrar greve somando as suas reivindicações aos dos docentes.

Em 29 de maio, cerca de dois mil estudantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ decidiram decretar greve estudantil e apoio a greve dos professores.

O mesmo se deu na Universidade Federal do Paraná, onde os estudantes aprovaram em assembléia pela deflagração da greve estudantil a partir de 30 de maio em apoio à greve dos professores.

Na universidade de Brasília também ocorreu uma concorrida assembléia estudantil no dia 29, cerca de 400 estudantes aprovaram a greve estudantil. Os Centros Acadêmicos e o Diretório Central dos Estudantes referendaram a decisão da assembléia geral e o movimento se estendeu por todo o campus.

O Movimento Estudantil Popular Revolucionário publicou um manifesto em sua página na internet convocando os estudantes combativos para ocuparem as universidades:

"É necessário que os estudantes, setor mais numeroso e dinâmico da Universidade, que têm protagonizado dezenas de ocupações de reitoria contra o Reuni de 2007 pra cá, tenham independência durante a greve, ou seja, agreguem à pauta do movimento docente suas próprias reivindicações. Devemos dizer com todas as letras que o sucateamento das Ifes tem uma causa muito clara, qual seja, o continuado corte de verbas e o Reuni.
Aos estudantes não interessa uma greve do tipo de "desgaste", com universidades vazias e desmobilizadas. Ao contrário: a greve que nos serve é a greve de ocupação, com universidades cheias, debates políticos e atos".


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja