Cumprimentos pelos 10 anos de AND

A- A A+

Um dos aspectos mais preocupantes da nossa torturante contemporaneidade é o monopólio das informações circulantes, em mãos do capital vídeo-financeiro transnacional. Nós que sonhamos com uma nova democracia saudamos os 10 anos do jornal que leva esse nome e nossa utopia à frente. Vale a pena destacar a brava e competente cobertura que fazem sobre a questão criminal e o estado de polícia que tomou conta do Rio de Janeiro, na perspectiva crítica da ocupação militarizada de suas favelas e da pasteurização de nossa cidade para os megaeventos do capital desportivo. Viva A Nova Democracia!

Dra. Vera Malaguti
Rio de Janeiro

 

Caros amigos e companheiros do jornal A Nova Democracia,

Por motivos de saúde, não poderei estar fisicamente com vocês aí no Rio para a comemoração da primeira década de vida do nosso jornal. Mas gostaria que chegasse a todos, por meio do nosso editor Ricardo, meu desejo de uma bela festa e de vida longa a AND.

É motivo de orgulho para mim fazer parte da história destes dez anos  – escrevendo no jornal em cinco deles, como leitor nos outros cinco e também como advogado durante parte desse período.

Todos sabem o quanto é difícil, num país que vive sob o domínio avassalador de um oligopólio de comunicação controlado por meia dúzia de famílias, lançar e manter um jornal independente a um só tempo desse monopólio e de todos os demais a que ele se vincula. De todos os bons jornais independentes que um dia foram pensados no Brasil, poucos chegaram a ganhar existência real; dos que foram lançados, poucos sobreviveram mais que alguns números; dos que sobreviveram materialmente, poucos são os que resistiram à tentação do oportunismo  – tão nociva, nos últimos anos, quanto as pressões do poder econômico – e mantiveram-se firmes.

A Nova Democracia conseguiu tudo isso mantendo sua independência frente ao grande capital e ao governo da vez e honrando seus compromissos com os leitores e com os que trabalham no jornal.

Que esta década que recém se completa seja a primeira de muitas. Ainda que, muitas vezes, a voz de um jornal como AND seja abafada pelos monopólios e seus serviçais – nos últimos tempos, até mesmo com dificuldades na frente judicial, criadas por agentes do aparato repressivo com algumas cumplicidades togadas – , sua mera existência é um alento e um exemplo.

Em tempo, prometo que não faltarei à festa dos 20 anos.

Um forte abraço e até breve,

Henrique Júdice Magalhães
Porto Alegre


Caros companheiros:

Muito gostaria de estar aí convosco especialmente agora que se discute o "novo" futuro do jornal A Nova Democracia. Não foi coisa que não pensasse fazer. Pensei até que poderia aproveitar a minha presença na reunião do Conselho Editorial do AND para "esticar" o tempo e ficar para a RIO+20. Marquei até as passagens na TAP. Acontece, porém, que durante todo este ano de 2012 estou envolvido, para ser mais exato, "atolado até ao pescoço" em atos de homenagem a dois dos maiores nomes da música popular portuguesa, expoentes máximos da música de resistência à ditadura fascista, ambos amigos meus, José Afonso (Zeca) e Adriano Correia de Oliveira, prematuramente falecidos. O primeiro, José Afonso, dedicou-me uma das suas músicas, Alípio de Freitas, quando eu estava preso na Fortaleza de Santa Cruz-RJ (música que pode ser ouvida no You Tube). Por isso, neste ano de merecidas homenagens, que se definiu como "Amigos maiores que o pensamento", tenho de estar em mil lugares ao mesmo tempo, de estar presente em atos que se realizam por todo o país, pois, sobretudo entre mim e o Zeca gerou-se  uma amizade que o tempo só tem aprofundado.

Como não possuo o dom da ubiquidade, optei por ficar aqui, mesmo assim sempre à espreita de um "qualquer ir e vir" para matar saudades.

Agora o AND. O nosso AND. Para nós, o AND, mesmo tendo consciência de que o não é, ele é o maior e melhor jornal do mundo. Nós sabemos, porém, que nenhum jornal é o melhor do mundo. Só um cínico ou um idiota poderia pensar assim. Isto significa que cada nova edição terá de ser melhor que a anterior. Haverá sempre coisas melhores. Um jornal como o AND é um desafio permanente à cultura, à inteligência, ao debate ideológico, à fidelidade, à verdade, à construção de uma nova sociedade. Cada nova edição do jornal AND é um novo questionamento, um passo coletivo em frente. O AND pode até um dia deixar de ser publicado, sair das bancas dos jornais. Pode sim. Mas tem de continuar na consciência coletiva, no pensar e no agir de todos os que o lerem e nele aprenderam. A história do pensamento político brasileiro confunde-se com o da imprensa alternativa. Aqueles que, como eu, vêm de lutas antigas, sabem-no muito bem. Muito, muito bem.

Repito que gostaria imensamente de estar aí convosco para desfrutar das novas e antigas amizades e sobretudo para aprender. Para aprender.

Aquele abraço

Alípio de Freitas
Portugal


Companheiros,

Agradeço muito o convite e gostaria muito de estar presente nesse importante momento. Infelizmente, devido á distância, não posso comparecer. Durante essa década de vida do jornal, sempre procurei contribuir como pude para o desenvolvimento desse veículo. Durante anos participei da construção do Comitê de Apoio ao Jornal AND de Belo Horizonte, e mesmo morando em Londres ainda me sinto parte desse comitê. Parabenizo todos os companheiros que durante esses 10 anos demonstram esforço e compromisso em manter vivo esse importante instrumento de propaganda. Em meio à essa conturbada crise econômica que a Europa está passando (leia-se crise do sistema capitalista), sempre tenho como ponto de referência e entendimento as ricas análises do jornal, que sempre apontam os fatos na perspectiva de vida dos povos e suas aspirações.

Desejo a todos os companheiros um ótimo debate nesses dois dias de celebração. São 10 anos de vida e sem dúvidas serão muito mais! Desejo seguir contribuindo para o jornal. Divulgando matérias e escrevendo artigos. Mesmo não estando no Brasil, me considero como um representante do jornal no exterior, e considero também que, junto com a minha companheira, somos um pequeno comitê de apoio ao jornal em Londres, pois estamos sempre debatendo o conteúdo do jornal e discutindo formas de como contribuir com o seu conteúdo.

Saudações de Nova Democracia!

Viva a Imprensa popular e Democrática!

Viva os 10 anos do Jornal A Nova Democracia!

Paulo Prudêncio
Inglaterra

 

Baluarte da imprensa livre e solidária, A Nova Democracia cumpre desassombradamente sua função informativa e conscientizadora das lutas e processos revolucionários que os meios de comunicação, comprometidos com o capitalismo, escamoteiam ou deturpam com chavões empregados para a alienação do leitor.

É um jornal fundamental para os que sonham e se empenham em construir uma sociedade democrática e socialista.

Professor Rubim Aquino
Rio de Janeiro


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira