80 anos de arte com e para o povo

A- A A+

O multi-artista Sérgio Ricardo completou 80 anos em junho último. Ele recebeu AND em sua casa, na favela do Vidigal, para uma conversa sobre sua carreira, sua vida política e seus projetos. O artista, que é músico, cineasta, pintor, ator, diretor e roteirista, fez da arte uma maneira de conversar com o povo e expressar seus anseios por transformações sociais.

http://www.anovademocracia.com.br/92/13a.jpg
Sergio, à esquerda, com Guti Fraga, diretor de Bandeira de Retalhos

AND: Como estão as comemorações dos seus 80 anos?
Sérgio: Está sendo fantástico, não esperava que fossem dar tanta bola para isso. O espetáculo Bandeira de Retalhos está em cartaz e há possibilidade de fazer um filme a partir dele. Outro projeto é continuar, no cinema, o espetáculo da História de João Joana, uma parceria minha com o Drummond, mas que também é complicado porque precisamos de uma Orquestra Sinfônica. Já houve homenagens na Academia Brasileira de Letras, do Ricardo Cravo Albim, em mostras de cinema e vários shows pelo país.

AND: São 63 anos de carreira, na qual você transitou por várias expressões artísticas, o que ainda te falta fazer?
Sérgio: A única coisa que eu não fiz foi dançar balé. Eu não vejo vantagem em fixar-se em uma coisa só. Não estou preocupado com resultados, me preocupo em fazer e por isso estou sempre em ebulição. Gosto de criar e isso acaba gerando uma dispersão artística, mas também é preciso manter um trabalho objetivo e estável.

AND: E em qual das artes você acha que conseguiu manter essa estabilidade?
Sérgio: Foi na música, porque qualquer problema, eu colocava o violão nas costas e fazia meus shows. Na ditadura, minhas músicas foram proibidas, mas isso me deu liberdade para buscar os caminhos cavados pelas minhas mãos. Um deles foi o circuito universitário, que eu inaugurei nos anos 60, e que me deu a possibilidade de viajar fazendo shows com os estudantes. Este talvez tenha sido o momento no qual mais me realizei porque em qualquer lugar os estudantes cantavam as músicas de protesto comigo. No cinema, apesar de gostar muito, fiz poucos filmes porque é uma dedicação que eu não tenho condição de sustentar, é um sofrimento para conseguir financiamento. E são os "patrocinadores" que escolhem os filmes. No meu caso, como eu proponho algo reflexivo, crítico, contra o sistema, é difícil que alguém do sistema patrocine um filme contra ele mesmo.

AND: Pensando nos seus mais de 60 anos de carreira, você poderia escolher uma de suas artes e um momento da sua vida?
Sérgio: O que mais me completa é o cinema, mas é o palco, fazendo música ou teatro, que te dá uma plenitude. Estar no palco junto com seu semelhante na plateia não tem preço.

AND: A política tem sido algo muito presente na sua arte, como você vê ligação entre arte e política, arte e vida?
Sérgio: A arte tem dois segmentos, ou você está nela pra dizer alguma coisa ou para enriquecer. Eu preferi o primeiro caminho. A arte pode ser usada como instrumento superficial para angariar resultados ou para se manifestar a respeito das transformações atuais e daquelas que são necessárias. Fazer arte descartável é um desserviço à sociedade e eu respeito muito meu semelhante para tentar emburrecê-lo com delírios estéticos. Eu não quero convencer ninguém de que a minha arte é bonita ou é feia, eu quero é conversar com meu semelhante.

Bandeira de Retalhos: a arte co(a)ntando a vida

Ana Lúcia Nunes

http://www.anovademocracia.com.br/92/13b.jpg

Nada melhor do que completar 80 anos com um musical emocionante. O grupo teatral Nós do Morro — projeto que existe no Morro do Vidigal há quase 26 anos — presenteou Sérgio Ricardo com a montagem do musical Bandeira de Retalhos. O espetáculo, escrito pelo artista, conta a história da resistência popular à remoção da favela, na década de 70. Sérgio, assim como muitos dos atuais moradores do Vidigal, estiveram à frente dessa luta.

A casa está cheia para receber Bandeira de Retalhos. O público, tomado por um turbilhão de emoções, canta junto aos atores "cala boca, moço", dança afoxé, sorri das piadas de João da Lua e chora diante da vitória do povo. Participa, como se fosse mais um morador do Morro do Vidigal defendendo sua morada.

Talvez este seja o ponto forte do musical. E não podia ser diferente, já que Sérgio viveu os momentos encenados de perto:

— Eu morei ali, o meu barraco foi marcado para ser derrubado junto com os outros. Então, a partir daí nasceu uma vivência da luta. Eu vivi de perto todo o processo que me levou a concluir nessa obra, e uma coisa que eu descobri foi que sem a união de todos não teria sido possível.

Mas não só Sérgio viveu essa história. Muitos dos atores nasceram e cresceram nas ladeiras do Morro e hoje se sentem orgulhosos em colocá-la em cena: 

— O Vidigal está transformado, tem gente que mora aqui e não tem noção dessa história. Nós podermos resgatá-la e mostrar que há pessoas que lutaram e estão aqui até hoje, sem elas o Vidigal não existiria, seria um condomínio de luxo – conta Edson Oliveira, que representa o sargento no musical.

O espetáculo se reveste de uma atualidade pungente, com o retorno das tentativas de remoções das favelas, no Rio de Janeiro, e com a supervalorização de áreas como o próprio Vidigal. Edson relata que o Vidigal vive uma tentativa lenta de remoção, já que os ricos ainda desejam apossar-se de uma das mais belas vistas da cidade. Por isso, para o ator, o assunto da peça é atualíssimo, já que eles continuam vivendo essa história, principalmente com a proximidade dos grandes eventos como a Copa e com a presença das UPPs.

O espetáculo 

A obra foi escrita por Sérgio Ricardo em 1979, remontando ao episódio de 1977, quando o então governador do estado do Rio de Janeiro tentou remover a favela para entregar a área à especulação imobiliária. Escrita como roteiro cinematográfico, a obra vem a público em 2012, comemorando os 80 anos de Sérgio, encenada como musical pelo Grupo Nós do Morro e dirigida por Guti Fraga e Fátima Domingues.

Sérgio Ricardo e João Gurgel assinam a direção musical. Para o autor, o bonito da obra é que todos os atores se transformaram em músicos, cantando e tocando percussão.

O musical é uma mostra viva das expressões artísticas populares, com emboladas, afoxé, samba, etc. A obra consegue mostrar como a arte pulsa na favela, seja através do canto e da dança ou dos cenários maravilhosamente trabalhados por Rui Cortez. O figurino, de Pedro Sayad e Tita Nunes, retrata com bastante fidelidade os anos 70 e também chama a atenção. Bandeira de Retalhos é um mergulho na vida, na arte e na luta e do povo brasileiro. E segundo Sérgio, isso foi intencional:

— A história propõe uma reflexão da plateia, cada um recebe uma porrada de "vamos abrir o olho e conversar, ou a gente se junta para resolver os problemas ou o mundo vai nos engolir", essa é a base filosófica da obra.

Para João Gurgel, ator e músico, que representa o papel do próprio pai, Sérgio Ricardo, a obra é fortemente marcada pela luta entre opressor e oprimido. E enquanto os embates vão avançando, uma bandeira de retalhos vai sendo tecida pelas mãos dos moradores. A canção Calabouço é a síntese desse enfrentamento. Mas, nesta obra, o oprimido é o vencedor.

Seja pela beleza dos movimentos e da música ou pela lição de luta da resistência do Vidigal, Bandeira de Retalhos merece o sucesso de público que vem recebendo. Agora, basta torcer para que o espetáculo chegue a todos os rincões do país.

Agenda

Rio de Janeiro
Teatro Municipal Maria Clara Machado
Até 5 de agosto
Sextas e sábados às 21h e domingo, às 20h
Inteira: R$30 e meia: R$15
Centro Cultural Wally Salomão 
10 e 11 de agosto, 21h
entrada franca

São Paulo
Sala Itaú Cultural
de 23 a 26 de agosto, às 20h.
entrada franca

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja