Surge o primeiro comitê contra a farsa eleitoral

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/93/04a.jpg
Reunião do comitê contra a farsa eleitoral, em Belo Horizonte

Na noite de 26 de julho, cerca de 40 pessoas, entre operários, aposentados, desempregados, estudantes, professores, donas de casa, sindicalistas, trabalhadores ambulantes, etc., realizaram a primeira reunião para a conformação de um comitê contra a farsa eleitoral em Belo Horizonte e região.

Essa primeira reunião foi fruto de debates entre representantes de diversos movimentos que, ao longo dos últimos anos, protestam contra a farsa eleitoral e propõem o caminho da mobilização e organização do povo para lutar.

Durante duas semanas, foram feitas convocações em locais de trabalho, e o trabalho de "formiguinha" surtiu efeito. Entre os presentes, estavam duas companheiras, mãe e filha, que, ao ouvirem e o chamado para a reunião feito no programa Tribuna do Trabalhador, na Rádio Favela, se interessaram e decidiram participar.

Durante a reunião, os movimentos e pessoas presentes defenderam o que consideram ser a linha geral do comitê e perguntas importantes foram levantadas: o que ocorre se a maioria da população boicotar as eleições? Se a proposta é não votar ou votar nulo, qual será o próximo passo?

Não participar das eleições, votar nulo, abstenção, realização de comícios para esclarecer a população sobre essa proposta, colagens de cartazes, debates, entre outras ideias foram apresentadas.

O comitê irá se reunir periodicamente para debater propostas e definir suas atividades. De acordo com as posições expressas nessa primeira reunião, a proposta é de que ele seja o mais amplo possível, mas que reúna pessoas e movimentos seguindo o princípio do repúdio à farsa eleitoral. O comitê produzirá materiais e realizará ações definidas em consenso, mas os movimentos que defendam bandeiras não consensuais têm autonomia para realizar ações de forma independente, sem utilizar o nome do comitê.

A reunião terminou em um clima de grande entusiasmo e todos partiram para seus locais de trabalho para intensificarem a convocação e a ampliação. Em breve o comitê deverá criar um blog para o debate e divulgação de seus materiais. AND seguirá acompanhando o desenvolvimento desse trabalho e, assim que tivermos maiores informações, transmitiremos aos nossos leitores.

Promessa de campanha: mais repressão

O candidato à reeleição pelo PSB em Belo Horizonte, Márcio Lacerda, declarou em evento de campanha que "pretende lidar com manifestações de rua de duas formas: com a polícia militar ou com a justiça. Segundo ele é preciso ter quatro policiais militares para cada manifestante" [fonte: jornal Hoje em Dia de 28 de julho de 2012]. Seu adversário no pleito eleitoreiro, Patrus Ananias (PT), não agiu diferente quando ocupou o posto de gerente municipal na capital mineira. Em 1996, ele ordenou o despejo policial da tomada do terreno Vila Corumbiara. As famílias organizadas pelo movimento Luta Popular pela Moradia resistiram ao cerco policial e conquistaram suas casas.

Márcio Lacerda, em seu primeiro mandato, agiu do mesmo modo, mandando despejar as famílias da ocupação Eliana Silva, também no bairro Barreiro.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja