A arte dos brincantes

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/94/10b.jpg
Juliana Manhães no espetáculo Umbigar, inspirado em cinco danças de 'umbigada'

Trabalhando a quase 20 anos com danças populares brasileiras, a atriz e dançarina maranhense Juliana Manhães, leva sua cultura regional para o resto do país. Participando do grupo As Três Marias — Núcleo de Folguedos Brasileiros, em seus dois espetáculos solo, na oficina de brincantes festeiros, ou como doutoranda sobre as danças de umbigada, Juliana trabalha o brincante como um importante ator e dançarino popular dentro da riquíssima cultura brasileira.

— Sou de São Luiz do Maranhão, berço de muitas manifestações culturais, e ainda bem pequena participava das festas populares com meus pais. Tenho uma lembrança muito forte de ver o bumba meu boi, dançar com a burrinha, ter medo do cazumba, que é um personagem mascarado — conta Juliana Manhães.

— Minha mãe frequentava bastante as rodas de tambor de crioula, uma manifestação afro-brasileira que só tem lá no Maranhão. Eu escutava esses tambores e gostava de dançar, mas nunca imaginei que um dia isso se transformaria na matéria-prima do meu trabalho profissional — continua.

— Comecei a me aproximar ainda mais da minha cultura maranhense depois que cresci e me mudei para o Rio de Janeiro, para cursar faculdade de artes cênicas. Rapidamente conheci uma forte comunidade do Maranhão na cidade, e através do grupo As Três Marias comecei a fazer brincadeiras nas ruas, apresentações, oficinas e festas — diz.

'As Três Marias — Núcleo de Folguedos Brasileiros', trabalha com o ritmo do cacuriá e do tambor de crioula.

— Este ano estamos completando dez anos de existência, e além das apresentações e brincadeiras, realizamos duas festas anuais ligadas as tradições maranhenses, reunindo várias comunidades, como: 'Boi brilho de Lucas', o 'Mariocas'. Fazemos também intercâmbios com mestres lá do Maranhão. Vou todos os anos para a minha terra, em várias épocas, visitar alguns deles, que chamo de minha família — declara

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— Há onze anos participo do bumba meu boi do seu Apolônio Melônio, o 'Boi da floresta', dançando vestida de cazumba. E meu interesse foi até além de ser brincante, já que fiz meu mestrado sobre a performance do cazumba no bumba meu boi do Maranhão, guiada pelo meu mestre cazumba, seu Abel — continua.

Além do grupo, Juliana tem dois espetáculos solo que apresenta por várias partes do país.

— O primeiro é o 'Divino emaranhado', onde conto 3 histórias, faço vários personagens, canto, danço e toco. Começo na perna de pau, cantando e contando histórias. Conto, por exemplo, sobre dona Ana e seu Laércio, de Santarém, PA, que me ensinaram a fazer a farinha d'água da mandioca — fala.

— O outro é o 'Umbigar', realizado através do prêmio Claus Viana de dança e montagem. Foi inspirado em cinco danças de umbigada: o tambor de crioula, no Maranhão, o lundu, no Pará, o Coco , que agrega várias cidades do nordeste, o jongo, daqui do sudeste, e o samba de roda, do recôncavo baiano. Canto, danço, represento, toco pandeiro em ritmo do samba, trabalhando a tradição, mas usando um olhar mais contemporâneo — conta.

Levando a umbigada para a universidade

Juliana tem visitado muitas cidades para se aprofundar no seu trabalho de palco, oficinas, e sua tese de doutorado sobre as danças de umbigada.

— Nossas manifestações e danças brasileiras fazem parte de influências que vem desde os índios, com as rodas e o ritmo repetitivo, do africano, com os tambores, a questão ritualística, a brincadeira, o improviso, etc, e ainda tem os portugueses. Em cada estado brasileiro podemos constatar que ela criou uma uma gestualidade diferente — diz.

— A partir do lundu foram se criando várias ramificações de danças: o samba de roda, o tambor de crioula, o jongo, o coco. Os escravos em seu tempo de folga, e daí vem o chamado folguedo, se reuniam para tocar, cantar, lembrar suas memórias. Creio que disso surgiram muitos ritmos, nos quilombos e senzalas — comenta.

— E o brincante surgiu a partir dessas misturas, dessas ocasiões, manifestações do povo mesmo. E ele tem me levado ao meu trabalho profissional de forma geral, inclusive o acadêmico, por observar sua importância dentro do universo do ator e dançarino — expõe.

Dentro desse universo Juliana apresenta em várias cidades a oficina 'Roda dos brincantes festeiros'.

— Sozinha ou com As Três Marias, trago 17 danças do Brasil, a maioria do nordeste, agregando-as as saias de chita, aos guarda-chuvas pretos, para que as pessoas possam entender o que é ser  um brincante — explica.

— A ideia é mostrar o que vem a ser dançar com entusiasmo, buscando o seu estilo sem se preocupar muito em acertar, em ter um passo específico, mas, pensando na questão da pulsação e da gestualidade brasileira. Gosto de fazer em meus espetáculos e oficinas um pouco do que o brincante faz: ele dança, canta, toca e atua, tudo ao mesmo tempo — define.

No momento ela está em uma viagem de pesquisa de campo na Africa, onde ficará até janeiro.

— Estou buscando na fonte essas danças de umbigada, os tambores, as semelhanças e diferenças com o que temos hoje no Brasil. Quero saber como estão hoje essas danças na Africa, entendê-las melhor e levar um pouco disso tudo para a minha pesquisa no Brasil — finaliza Juliana Manhães.

Para contatar: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja