Greve dos servidores públicos federais

A- A A+
Pin It

http://www.anovademocracia.com.br/94/08c.jpg

No dia 15 de agosto, 12 mil servidores públicos protestaram na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Os trabalhadores querem pressionar o governo para que apresente uma proposta séria e viável às mais de 30 categorias em greve. Já são cerca de 500 mil trabalhadores em paralisação, em 28 órgãos federais, em todos os estados do país. Há rumores de que se o governo não negociar, pode haver uma greve geral do serviço público.

A greve nacional dos servidores públicos federais ganhou novas adesões no último período. No dia 8 de agosto foi deflagrada uma paralisação geral de 24 horas que envolveu diversos órgãos em greve.

No dia 9, no Rio de Janeiro, servidores públicos de diversas categorias realizaram uma grande manifestação pelas ruas do centro da capital.

Funcionários do Banco Central, Receita Federal, delegados e peritos da Polícia Federal, funcionários de institutos e ministérios cruzaram os braços e realizaram uma série de ações, como o fechamento da ponte Rio-Niterói por agentes da Polícia Rodoviária Federal. Os servidores do Tesouro Nacional também realizaram uma paralisação de 48 horas em protesto contra a intransigência do governo que se recusa a negociar as reivindicações dos grevistas.

No dia 9, os protestos também atingiram quase todos os estados do país. Na Bahia, os funcionários da Companhia de Docas, da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizaram uma série de protestos nas primeiras semanas de agosto.

No mesmo dia, os funcionários de agências reguladoras, um dos pioneiros na greve, realizaram um ato no porto de Santos. Os servidores do judiciário realizaram manifestações no Ministério do Planejamento, em Brasília e realizou atos em pelo menos 18 estados.

No Espírito Santo, os protestos levaram a PRF, os fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária às ruas.

Em Goiás, os trabalhadores realizaram um protesto pelas principais avenidas da cidade e fizeram o velório simbólico do governo. No estado são 13 órgãos públicos cujos servidores estão em greve.

No Mato Grosso são dez órgãos públicos com servidores em greve. Em Minas Gerais, os servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, do Departamento Nacional de Produção Mineral, da Polícia Rodoviária Federal, do Ministério da Agricultura e das Instituições de Ensino Superior estão paralisados e realizaram protestos durante as primeiras semanas de agosto.

No Rio Grande do Sul os protestos uniram diversas categorias: universidades, previdência, IBGE, PRF, Ministério da Agricultura e da Saúde, Receita Federal, Banco Central e outros. Em Rondônia são sete órgãos públicos com servidores em greve.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Insurgindo contra o "PT patrão"

No último dia 13, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão determinou o corte de ponto dos grevistas do serviço público federal. O Coordenador de Inovação Tecnológica do Ministério do Planejamento, César Augusto de Azambuja Brod, se negou a cumprir orientações do governo de cortar o ponto de funcionários em greve e, em protesto, pediu exoneração do seu cargo.

Em carta aberta divulgada após seu pedido de demissão, Augusto Brod afirmou que "o PT patrão parece não ter aprendido com sua própria história. O PT patrão apenas aprimora as táticas de pressão psicológica e negociação questionável daqueles com os quais negociou na época em que a greve era sua."

"Como coordenador, jamais cortarei o ponto daqueles que trabalham comigo e estão em greve. Independente da greve, eles cumpriram seus compromissos civis sempre que necessário" — asseverou.

Em nota, funcionários do Ministério do Planejamento manifestaram sua solidariedade com o coordenador e ressaltaram que "a determinação do governo no corte do ponto dos grevistas agride em sua essência a crença na liberdade de manifestação das pessoas e no direito do trabalhador de reivindicar melhorias em suas condições de trabalho e os consequentes resultados entregues à sociedade por meio dos atos dos servidores públicos federais".

O Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Rondônia já impetrou mandado de segurança objetivando garantir o pagamento dos salários dos trabalhadores em greve no estado. A justiça federal decidiu em favor dos trabalhadores e determinou uma multa de R$5mil por dia, caso o governo insista em cortar o ponto dos servidores públicos federais em greve.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja