Poupança: Congresso sanciona golpe contra a economia popular

http://www.anovademocracia.com.br/94/04c.jpgNo dia 7 de agosto foi sancionada a Lei 12.703, que confirma as mudanças iniciadas em maio nos rendimentos da caderneta de poupança. Com exceção de dois artigos de menor importância sobre financiamento imobiliário inseridos no final, a nova lei é cópia exata da Medida Provisória 567, que lhe deu origem.

O impacto sobre a economia popular e, por consequência, sobre a vida da população trabalhadora, é imenso. Há 151 anos (desde 1861), a poupança tinha um rendimento fixo de 0,5% mensais (um pouco mais de 6% ao ano, já que a capitalização ocorre mês a mês). Junto a outras características, como a inexistência de valor mínimo para abertura e manutenção da conta e a não-incidência de impostos e tarifas bancárias, isso fazia dela a melhor — ou única — opção para quem quisesse guardar algum dinheiro sem correr o risco de que ele virasse pó.

Não se pode dizer que fosse um rendimento muito alto: qualquer banco privado cobra, por mês, no cheque especial ou cartão de crédito, o que a poupança rendia por ano. Ainda assim, nunca existiu, para as classes trabalhadoras, outra aplicação segura e confiável para quem precisasse poupar o dinheiro que lhe permitiria comprar uma casa (ou terreno), um carro ou mesmo para usar em alguma situação de necessidade, como desemprego ou doença.

O que muda

Se isso não acabou, foi, pelo menos, seriamente afetado. Com a nova lei, o Estado, atendendo a uma demanda das entidades de classe do setor financeiro — Febraban e outras — , tira da população essa segurança, transformando uma aplicação de renda fixa (a única ao alcance do cidadão comum) em aplicação de renda variável — mas só até certo ponto.

Em vez de render 0,5% ao mês, as cadernetas renderão 70% da taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), que é a taxa de juros aplicável aos títulos da dívida do governo federal. Mas só quando esses 70% da Selic forem menores que 0,5% mensais. Quando forem maiores — isto é, quando a mudança poderia trazer alguma vantagem ao poupador — , aplica-se a taxa antiga. Os assessores econômicos da senhora Roussef — com a bênção dela, obviamente — criaram uma aplicação cujo rendimento só varia para baixo, nunca para cima.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza