Massacre de operários na África do Sul

http://www.anovademocracia.com.br/95/15d.jpg
Polícia abre fogo contra milhares de operários em greve

A África do Sul foi palco em meados de agosto de um massacre de operários levado a cabo diante das câmeras de uma emissora de TV local, em um episódio que pode ser resumido da seguinte maneira: os capatazes do "presidente" Jacob Zuma, títere do imperialismo, estenderam às últimas consequencias a ordem de proteger a garantir os interesses das transnacionais das potências estrangeiras no país, a custa do suor e, como se vê, do sangue dos trabalhadores sul-africanos.

No dia 16 de agosto, uma quinta-feira, a polícia de Zuma abriu fogo contra milhares de operários em greve por melhores salários na frente da mina da transnacional britânica Lonmin PLC, a terceira maior produtora de platina do mundo, na cidade de Marikana. Trinta e quatro mineiros foram fuzilados e mortos.

http://www.anovademocracia.com.br/95/15e.jpg

Os trabalhadores, cerca de três mil, estavam mobilizados desde o dia 10 de agosto, e a greve foi se radicalizando ao longo dos dias. Informações dão conta de que, entre o começo da greve e a chacina dos mineiros, aconteceram violentos confrontos no local. No dia 12 de agosto dois guardas, cães de guarda da companhia, teriam sido justiçados, com a multidão ateando fogo em seus carros. No dia seguinte, 13 de agosto, teria sido a vez de dois policiais serem alvo dos operários em revolta. No próprio dia do massacre, antes do acontecido, teria havido "um tiroteio entre os grevistas e a polícia". Mas existe a suspeita de que as notícias das mortes dos guardas e dos policiais, bem como a do tiroteio, podem ter sido inventadas para tentar atenuar a violência com que se tentou pôr fim à greve e a execução dos trabalhadores.

Na segunda-feira seguinte ao massacre, dia 20 de agosto, a transnacional Lonmim anunciou que iria demitir os funcionários que permanecerem em greve a partir daquela data, com a empáfia de quem manda e desmanda nas semicolônias do mundo, a despeito de ficções como "governo", "opinião pública" e "responsabilidade da empresa" num sistema onde a única regra é exploração do homem pelo homem.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin