Massacre de operários na África do Sul

A- A A+
Pin It
http://www.anovademocracia.com.br/95/15d.jpg
Polícia abre fogo contra milhares de operários em greve

A África do Sul foi palco em meados de agosto de um massacre de operários levado a cabo diante das câmeras de uma emissora de TV local, em um episódio que pode ser resumido da seguinte maneira: os capatazes do "presidente" Jacob Zuma, títere do imperialismo, estenderam às últimas consequencias a ordem de proteger a garantir os interesses das transnacionais das potências estrangeiras no país, a custa do suor e, como se vê, do sangue dos trabalhadores sul-africanos.

No dia 16 de agosto, uma quinta-feira, a polícia de Zuma abriu fogo contra milhares de operários em greve por melhores salários na frente da mina da transnacional britânica Lonmin PLC, a terceira maior produtora de platina do mundo, na cidade de Marikana. Trinta e quatro mineiros foram fuzilados e mortos.

http://www.anovademocracia.com.br/95/15e.jpg

Os trabalhadores, cerca de três mil, estavam mobilizados desde o dia 10 de agosto, e a greve foi se radicalizando ao longo dos dias. Informações dão conta de que, entre o começo da greve e a chacina dos mineiros, aconteceram violentos confrontos no local. No dia 12 de agosto dois guardas, cães de guarda da companhia, teriam sido justiçados, com a multidão ateando fogo em seus carros. No dia seguinte, 13 de agosto, teria sido a vez de dois policiais serem alvo dos operários em revolta. No próprio dia do massacre, antes do acontecido, teria havido "um tiroteio entre os grevistas e a polícia". Mas existe a suspeita de que as notícias das mortes dos guardas e dos policiais, bem como a do tiroteio, podem ter sido inventadas para tentar atenuar a violência com que se tentou pôr fim à greve e a execução dos trabalhadores.

Na segunda-feira seguinte ao massacre, dia 20 de agosto, a transnacional Lonmim anunciou que iria demitir os funcionários que permanecerem em greve a partir daquela data, com a empáfia de quem manda e desmanda nas semicolônias do mundo, a despeito de ficções como "governo", "opinião pública" e "responsabilidade da empresa" num sistema onde a única regra é exploração do homem pelo homem.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja