Viagem ao berço do movimento estudantil

http://www.anovademocracia.com.br/95/12c.jpg
Estudantes tomam a Universidade Nacional de Córdoba, em 1918

No distante 1918, as universidades argentinas foram postas de ponta-cabeça por seus estudantes. Levantando-se contra privilégios e arcaísmos variados, eles colocaram suas escolas entre as mais democráticas e avançadas do continente. Apesar de todos os revezes posteriores, muitas conquistas essenciais da mal chamada reforma universitária (na verdade, uma revolução, como se depreende das palavras de seus protagonistas) ainda persistem. O epicentro desse terremoto foi a cidade de Córdoba, onde pode-se dizer que nasceu o movimento estudantil latino-americano.

Livre ingresso em curso superior, sem vestibular ou qualquer outra forma de seleção. Frequência livre às aulas, sem lista de chamada. Representação igualitária de professores, estudantes e egressos nas instâncias deliberativas da universidade. Embora negligenciadas no Brasil, essas são algumas das bandeiras históricas do movimento estudantil latino-americano. Soam avançadas demais? Pois foram desfraldadas pelos estudantes argentinos em 1918 e vigoram até hoje naquele país.

Suas conquistas incluíam também coisas que hoje fazem parte do senso comum, como a admissão de professores universitários por concurso (na Argentina, até então, eles eram nomeados por entidades controladas por representantes da oligarquia agrária e do clero católico). E outras que ficam a meio caminho, não tão revolucionárias, mas ainda ousadas demais para as burocráticas e conservadoras universidades brasileiras, como o sistema de cátedras paralelas, pelo qual cada disciplina é ministrada, simultaneamente, em várias turmas com professores diversos, evitando que um docente se torne "dono" de uma matéria e os estudantes, seus reféns.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza