Chamando o povo para teatro

http://www.anovademocracia.com.br/95/12a.jpg
Roda de teatro de rua: espaço para a população falar sobre o que a aflige, e discutir essas questões

Coletivo pernambucano de teatro popular, há 32 anos o Vem Cá Vem Vê abre espaço para a população falar sobre o que a aflige, e procura discutir essas tais questões em seus espetáculos. Teatro de rua desde a sua criação, o grupo também se apresenta em outros espaços quando convidado, acreditando que o importante é fazer teatro e levá-lo para o maior número de pessoas, usando-o como lugar de conscientização da realidade e discussão do que se pode mudar.

— Teatro de rua é uma das manifestações mais antigas da cultura popular, algo bem próximo de povo. O grupo nasceu aqui na Vila do Buriti, que faz parte do bairro Casa Amarela, em Recife, a partir de uma organização de dez jovens inconformados com a situação política, social e econômica, tanto do país como da nossa cidade, envolvendo problemas de habitação, saúde, saneamento, tudo que havia aqui na Vila — conta Alexandre Menezes, ator e diretor do Vem Cá Vem Vê.

— O nome do coletivo surgiu na primeira apresentação, de forma espontânea, ao chamar as pessoas para nós, dizendo: 'vem cá vem ver, vem cá vem ver teatro'. Alguém questionou qual seria o nome do grupo e o ator que estava chamando o povo disse: 'Ah, o grupo é Vem Cá Vem Vê'. E acabou agradando a todos e ficando, até porque a vontade era e é mesmo essa: convidar a população para a arte, a discussão, o questionamento, a luta pelas mudanças — define.

— O coletivo se tornou um lugar de encontro, de amizades, um espaço para se falar o que pensa. Até porque na verdade sempre discutimos o que aflige a nós mesmos, porque também somos povo — fala, acrescentando que nasceu e mora até hoje em Guabiraba, comunidade que também faz parte do bairro Casa Amarela. 

Segundo Alexandre, o grupo tem funcionado como uma espécie de escola de teatro.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro