Protestos durante o 7 de setembro exigem: Cadeia para os torturadores do regime militar

A- A A+

Em diversas cidades do país, o desfile militar de 7 de setembro, comemorativo ao Dia da "Independência", foi marcado por manifestações populares exigindo punição para os militares e civis responsáveis pelas torturas, assassinatos, desaparecimentos e demais crimes cometidos pelo gerenciamento militar fascista.

http://www.anovademocracia.com.br/96/05a.jpg
Manifestação durante o desfile militar no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo), o Movimento Feminino Popular (MFP) e o Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) organizaram a manifestação e levantaram duas faixas com os dizeres:"Punição para os criminosos militares e civis, mandantes e executores de torturas, assassinatos e desaparecimentos forçados do regime militar!" e "Glória eterna aos heróis da luta contra o regime militar fascista!".

Assim como no ano passado, a manifestação foi muito bem recebida e realizada em frente às arquibancadas e em meio ao público que se concentrava na Av. Presidente Vargas, centro do Rio, onde se realizava o desfile militar. As organizações exigiram ações concretas pela punição dos responsáveis pelos crimes cometidos contra o povo nesse sangrento período de nossa história.

Em Recife (PE), o desfile de 7 de setembro foi realizado na Avenida Cruz Cabugá. Uma manifestação realizada por diversas organizações que compõem o Fórum da Anistia de Pernambuco levantou a bandeira da punição para os torturadores do regime militar.

O grupo se reuniu na concentração do Grito dos Excluídos e elaborou cartazes e placas com fotografias de militantes assassinados e torturados no regime militar, como José Carlos da Mata Machado, Helenira Rezende, Gregório Bezerra e Maria Lúcia Petit. De lá seguiram para o desfile dos militares onde interviram em frente à bancada do governo, exigindo a punição de todos os torturadores e assassinos do regime.

Fazem parte do Fórum, a Associação Pernambucana dos Anistiados Políticos, o MEPR, a Federação do Movimento Estudantil de História e o Comitê de apoio ao jornal A Nova democracia de Recife.O ato ganhou repercussão nos meios de comunicação da capital pernambucana e, devido a sua combatividade, o gerente estadual Eduardo Campos e o comandante militar do Nordeste, Odilson Benzi, tiveram de dar declarações com suas opiniões para canais de TV.

http://www.anovademocracia.com.br/96/05b.jpg
Em Belo Horizonte, o MFP levou cartazes com as fotos de revolucionários mortos ou desaparecidos

Em Belo Horizonte, por volta das 11hs da manhã do dia 7 de setembro, logo após o último grupo do desfile oficial, um grupo de 40 mulheres rompeu as cordas que separavam o público da parada militar e tomaram a Avenida Afonso Pena, no centro da cidade. Rapidamente duas ativistas abriram uma faixa com os dizeres:"Cadeia para os torturadores do regime militar!". Atrás dessa faixa quatro mulheres seguravam duas bandeiras vermelhas do Movimento Feminino Popular. Seguiam-nas três colunas de ativistas, cada uma portando um cartaz com a foto de um revolucionário executado ou desaparecido pelo regime.

As ativistas do MFP percorreram 1 km da Avenida Afonso Pena gritando palavras de ordem. Os nomes dos revolucionários assassinados eram chamados e todas respondiam juntas: "Presente!". Grupos de populares aplaudiram a marcha das mulheres. Apoiadores da luta distribuíram milhares de panfletos do MFP, afirmando a luta contra o esquecimento, o perdão e a reconciliação com os criminosos do regime militar. Uma faixa do movimento ficou aberta bem em frente ao palanque oficial durante todo o desfile militar, reafirmando a consigna dessa luta. Também participaram da manifestação militantes do MEPR, operários do sindicato ‘Marreta’ da Construção Civil, entre outros.

Em Montes Claros (MG), durante o desfile militar, a tropa de choque do 10° Batalhão da PM reprimiu o ‘Grito dos Excluídos’, agredindo os manifestantes com cassetetes e balas de borracha, prendendo um ativista do movimento Levante Popular da Juventude.

Em nota enviada à redação de AND, ativistas do MFP e do MEPR, que também participaram do protesto, denunciaram:

"Esse 10° Batalhão da PM que reprime manifestações populares e prende ativistas é o mesmo que, em meados da década de 1960, durante o regime militar, sob o comando do coronel Georgino (atual patrono do curso de Direito da Unimontes!), atacou covardemente a luta dos posseiros em Cachoeirinha/ Verdelândia, torturando dezenas de camponeses e assassinando várias pessoas, entre as quais muitas ainda hoje consideradas "desaparecidas".

Esse 10° Batalhão da PM que reprime manifestações populares e prende ativistas, neste mesmo episódio, foi diretamente responsável pela morte de 64 crianças detidas pelas tropas e que acabaram morrendo por frio, inanição e surto de sarampo.

Esse 10° Batalhão da PM que reprime manifestações populares e prende ativistas é o mesmo que, sob o comando do coronel Georgino, participou da invasão da UNB em 1968.

Esse 10° Batalhão da PM que reprime manifestações populares e prende ativistas é o mesmo que humilha, tortura e assassina o povo pobre e a juventude nas periferias de Montes Claros."

Em Goiânia, o desfile de 7 de setembro foi marcado por inúmeros protestos. Manifestantes realizaram panfletagem e uma faixa assinada pelo Movimento Feminino Popular com os dizeres "Nem perdão, nem esquecimento e nem reconciliação: punição para os criminosos do regime militar, civis e militares, mandantes e executores de torturas, assassinatos e desaparecimentos forçados!" destacava-se em meio à multidão.Apoiadores de AND em Goiânia enviaram uma mensagem à redação do jornal destacando o apoio da população ao protesto, assim como uma manifestação realizada simultaneamente exigindo a saída do gerente estadual Marconi Perillo.

Em Rolim de Moura, Rondônia, centenas de estudantes e professores tomaram as ruas da cidade durante o desfile "cívico". Eles convocaram o povo a não participar da farsa das eleições, denunciaram a corrupção que assola o município, o abandono da educação e exigiram punição para os torturadores do gerenciamento militar.

Em Niterói (RJ), familiares de mortos e desaparecidos, no último dia 28 de agosto, tomaram a Praça Arariboia, no centro da cidade, para distribuir panfletos e fixar 375 cruzes, simbolizando seus familiares assassinados pelo regime militar.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja