Aliados de Evo provocam uma morte e 9 feridos entre operários das minas

A- A A+

Análise e Opinião - Bolívia http://analisisopinion.wordpress.com

http://www.anovademocracia.com.br/97/13-bolivia.jpg
O menino Héctor Choque foi assassinado durante o conflito

Enquanto Evo Morales anunciava sua candidata ao governo do departamento de Beni (a criadora de gado e latifundiária Jessica Jordán), na capital La Paz os mineiros que fazem parte de cooperativas atacavam a sede dos mineiros sindicalizados como demonstração de força.

Eles desejavam obter uma concessão para explorar o complexo mineiro estatal de Colquiri. O conflito entre mineiros assalariados e pequenos proprietários, que fazem parte de cooperativas, deixou um morto e vários feridos e está intimamente ligado à política governamental de Evo Morales e suas alianças políticas.

A regra é que Evo apresente o conflito social como uma conspiração contra seu governo, ou como um fato isolado quando seu governo não é diretamente interpelado, como se o governo estivesse por cima da luta de classes e não dentro dela. E neste caso, o MAS tem vários senadores, deputados, ministros e vice-ministros que são proprietários de diversas cooperativas, que foram beneficiadas por decretos, concessões, exonerações e outros benefícios ao longo das gestões do governo de Evo.

O método reacionário do MAS, da "administração" do conflito social, está encaminhado a mostrar os fatos de maneira distorcida para que o povo não veja a verdadeira responsabilidade da gestão governamental e seu impacto nos setores populares.

O conflito entre cooperativistas e assalariados mineiros não é novo e teve seu ápice em 2006, em Huanuni, onde o conflito deixou 16 mortos e 70 feridos. O problema naquela época foi o oferecimento eleitoral de uma concessão na mina para os cooperativistas, o que gerou uma grande defesa por parte dos assalariados de suas fontes de trabalho e acabou gerando o choque. Nesse caso, o governo também lavou as mãos, junto a seus senadores e vice-ministros saídos das cooperativas.

Da mesma forma, o conflito atual em Colquiri começou com a proposta dos assalariados para expulsar as concessões transnacionais que o governo mantinha no local. Posteriormente, o conflito passou para os interesses que o setor cooperativista tem na exploração da mina, já que, como aliado do governo, eles haviam conseguido várias concessões.

O "cooperativismo mineiro" se desenvolveu com as políticas privatizantes no período "neoliberal" e foi o refúgio de muitos operários das minas que ficaram sem trabalho. Eles conseguiram concessões estatais e alguns enriqueceram, enquanto outros desenvolveram uma exploração de subsistência. Nos centros mineiros, os capitalistas se chamam "cabeças" e exploram a mão de obra de seus "sócios", aplicando um sistema de servidão (os sócios pagam para trabalhar) e roubam o minério. Os capitalistas aliados de Evo Morales são capazes de mobilizar seus peões ou "sócios" para qualquer ação de apoio às medidas antipopulares do governo.

O setor enriquecido se estruturou como pequenas empresas com operários a seu serviço e durante anos negociou suas preferências com todos os governos "neoliberais". Nessas circunstâncias, também negociaram sua aliança com o "revolucionário" governo de Evo Morales. Os capitalistas cooperativistas tiveram o Ministério das Minas quando houve o incidente de Huanuni, e têm deputados e senadores que são parte da bancada do MAS. Um deles, o senador Andrés Villca, é acusado de ter sido do MNR, o partido de Sánchez de Lozada, mas sem dúvida isso não é impedimento para que seja um grande defensor do "processo de mudança" e que seja felicitado por Evo Morales. Então é uma falácia mentirosa e covarde lavar as mãos e dizer que o governo não tem nada a ver com os "enfrentamentos entre assalariados e cooperativistas".

A política corporativista do governo de Morales tem como fim cooptar e acabar com o movimento popular, além de enfrentar os setores que contestam sua gestão. Desde nossa tribuna sempre afirmamos que o governo estava deixando que os conflitos acontecessem sem fazer nada para que depois retornassem com mais força. O conflito de Colquiri era uma batata quente no momento da greve policial e da marcha dos povos do TIPNIS. O governo deu soluções parciais a este problema porque seu interesse naquele momento era usar os assalariados na contra marcha dos TIPNIS. E assim fizeram os dirigentes que acreditavam na palavra do governo. Uma vez utilizados contra os indígenas, o governo novamente fez pactos com seus aliados (os capitalistas cooperativistas), por isso o conflito foi reacendido. Esta é a forma como o governo utiliza o movimento popular, por isso é responsável pela morte do mineiro Héctor Choque, uma morte que se soma a muitas que Evo Morales tem em suas mãos.

A luta entre mineiros aparece como um conflito dentro dos setores populares, mas sem dúvida é parte da luta de classes que reflete os interesses dos operários estatais e os interesses da mineração artesanal, conformada por um punhado de mineiros enriquecidos, exploradores e aliados do governo de Evo Morales. O movimento popular e o povo boliviano devem entender essa verdade e organizar-se para desmascarar o caráter reacionário desse governo.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja