RJ: 16 feridos nos trens da Supervia

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/97/05b.jpg
Operários da Supervia trabalham na remoção do trem ao lado da pilastra destruída

No dia 25 de setembro, uma composição do sistema ferroviário do Rio de Janeiro — administrado pela famigerada concessionária espanhola Supervia — perdeu o controle e se chocou com uma plataforma de embarque e desembarque deixando vários trabalhadores feridos. Ao menos 16 pessoas foram atendidas nos hospitais da região, uma delas em estado grave. O acidente aconteceu na estação de Madureira, no coração do subúrbio carioca.

Uma das pessoas feridas foi a empregada doméstica Maria Carolina, de 58 anos. Ela viaja de segunda a sábado de Japeri até o Centro do Rio, onde pega o metrô até Copacabana. No total, são três horas de viagem para ir e três horas para voltar do trabalho quase todos os dias. Pelo telefone, nossa reportagem conversou com a trabalhadora, que torceu o pé no acidente.

Quando teve a batida, todo mundo caiu no chão um por cima do outro. Foi um desespero e uma correria. As pessoas tentavam abrir as portas e as janelas, mas não conseguiam. Ficou todo mundo sufocado. Os homens começaram a quebrar as janelas e o pessoal conseguiu sair. O susto foi grande. Não foi a primeira vez que passei por isso. No ano passado, o trem saiu do trilho comigo dentro em Queimados [Baixada Fluminense], mas eu não me machuquei. Falaram que morreram só quatro pessoas, mas morreram muito mais. A gente que anda nesses trens todo dia tem que contar com a sorte — lamenta.

O trem nunca melhorou no Rio. Essa época de política, a gente vê candidato falando que o transporte melhorou, que o povo agora tem conforto, mas eu pego trem há mais de 30 anos e nada mudou nesse tempo. É sempre o mesmo problema: trem andando de porta aberta, barulho, os vagões sempre lotados, ar-condicionado não funciona. Sem contar com os defeitos que dão no trem. Hoje em dia, o povo anda mais pelos trilhos do que os próprios trens. Às vezes passa na televisão, quando o pessoal se revolta e quebra tudo, mas eu vou e volto de Japeri para o Centro todo dia e quase sempre vejo trem de outro ramal parado e o povo descendo e andando no meio dos trilhos. Um perigo. Fazer o quê? Esse é o transporte que dão para o povo — protesta.

Perguntada sobre os novos trens comprados pelo gerenciamento estadual, dona Maria Carolina foi enfática:

Esses trens que eles disseram que compraram na China nunca circularam no ramal de Japeri. Nunca vi, nunca entrei. Não faço a mínima idéia de como é — denuncia.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait