Todo dia tem uma mãe chorando

A- A A+

Na última edição de AND, apresentamos alguns dados sobre a violência policial em Goiás. Nesta edição, entrevistamos Maria Fernandes da Silva, membro do Comitê Goiano pelo Fim da Violência Policial. Em 2006, seu filho, Ronaldo Fernandes da Silva, com 22 anos à época, foi assassinado por um policial militar. Transcrevemos abaixo o depoimento emocionado de Maria Fernandes.

Eu sempre achei a polícia agressiva. Sempre via que eles perseguiam os jovens. Eu pensava que se os jovens faziam algo errado, a polícia deveria prender, mas não matar. Mas eles só querem matar, torturar, bater, atirar em todo mundo, isso não está certo, não é justo. Eu acho que esse tipo de policial não pode estar na rua.

Meu filho foi perseguido por muito tempo. O policial que o assassinou era um amigo de infância do meu filho. Ele perseguia o Ronaldo por causa de uma namoradinha, coisa de jovens. O policial chegou a dar um tiro no meu filho, então as irmãs dele, que moravam na Itália, decidiram levá-lo para lá.

Meu filho trabalhou por um tempo na Itália, mas voltou ao Brasil para conseguir os documentos e trabalhar de carteira assinada na Europa. Mas o policial voltou a persegui-lo. Um dia ele seguiu meu filho desde o Santa Luzia Residencial até a feira do bairro Redenção e o matou.

Meu filho não estava fazendo nada de errado, foi buscar uma farinha na feira que eu havia pedido. Eu fico indignada porque se eles tivessem pego meu filho matando, roubando, eu ficaria menos inconformada, mas meu filho não estava fazendo nada de errado. Eu perdi meu filho e para mim é como se ele tivesse morrido hoje. Criei meu filho sozinha pra vir uma pessoa e tirar a vida dele por nada?

A gente procurou ajuda, fui a todos os lugares, delegacias, etc, mas quando é polícia, eles põem panos quentes em cima e ninguém vê, ninguém sabe de nada. Quando eu ia à delegacia, eles só me diziam que eu não tinha provas e que eu precisava de provas de que havia sido esse policial quem matou meu filho, mas todo mundo sabe que foi ele. Quem vai testemunhar contra um policial? Por isso que eles agem assim. As pessoas me dizem que não vão testemunhar por medo, porque o policial, que se chama Paulo Marcos, é violento e eles não têm nenhuma segurança.

Eu já procurei muitos advogados. Eu estou lutando para conseguir um bom advogado. Não tenho muitas notícias do processo, mas continuo lutando.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja