Pontal do Paranapanema: luta pela terra no regime militar faz 45 anos

http://anovademocracia.com.br/98/11-a-gauchao.jpg
Edmur Péricles Camargo, o Gauchão, ousou enfrentar os jagunços de Zé Dico

Completou 45 anos, este mês, a primeira reação armada ao regime militar instaurado em 1964. Na madrugada de 23 para 24 de setembro de 1967, o militante da Aliança Libertadora Nacional (ALN), Edmur Péricles Camargo, justiçou o fazendeiro José Gonçalves da Conceição, o Zé Dico, na sede da Fazenda Bandeirante, em Presidente Epitácio (SP), região do Pontal do Paranapanema, a 457 km de São Paulo, na divisa com o velho Estado de Mato Grosso.

Camargo, o Gauchão (apelido ganho durante o tempo em que militou na "Tribuna Gaúcha", órgão do Partido Comunista do Brasil em Porto Alegre de 1945 a 1947), foi capturado e morto na Argentina, em 1975, depois de ser dedurado por informantes na caça aos opositores do regime militar.

Antes de chegar ao Pontal, ele havia liderado canavieiros em Porecatu (PR). A partir da resistência da ALN teve início a luta pela terra no Pontal do Paranapanema, abrindo caminho para a retomada de áreas devolutas fartamente distribuídas durante os anos 1950 a fazendeiros paulistas, durante o governo de Adhemar de Barros.

Nos anos 1980, um braço do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra chegou àquela região, ocupando latifúndios. Só então o Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) desapropriaram algumas áreas e assentaram famílias.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro