Cresce o repudio à farsa eleitoral

A- A A+
Pin It
http://anovademocracia.com.br/98/03-a-Comitecontra2.jpg
Ato contra a farsa eleitoral realizado pelo MEPR em Curitiba, PR

Os milhões gastos pelo Estado e pelas várias frações do partido único foram insuficientes para iludir todo o povo. Mesmo com a obrigatoriedade e debaixo da mais sistemática pressão e chantagem feitas pelo TSE, via meios de comunicação, quase um terço do eleitorado preferiu não participar da farsa ou marcar sua posição de protesto votando em branco ou anulando seu voto.

O cerco montado sobre os eleitores, usando principalmente a lorota da ficha limpa, numa convergência do TSE, da imprensa dos monopólios e do partido único, inclusive das frações ditas de "esquerda", revelou-se um fiasco diante da decisão cada vez mais consciente do eleitorado, principalmente jovem, de rechaçar esta velha democracia de burgueses e latifundiários serviçais do imperialismo.

Vamos aos números

Escolhemos como amostra cinco capitais, das quais quatro tiveram seus prefeitos "eleitos" no primeiro turno:

Cidade Eleitorado Votantes Abstenção Brancos Nulos Votos válidos Boicote (A+B+N)*
São
Paulo
8.619.670 7.026.648 1.592.722 381.407 516.384 6.129.157 2.490.513
Rrio de Janeiro 4.719.607 3.754.070 965.214 188.862 318.461 3.247.070 1.472.537
Porto Alegre 1.076.263 876.607 199.607 40.061 42.331 794.264 281.999
Belo Horizonte 1.860.792 1.509.550 351.242 87.366 138.065 1.284.119 576.673
Recife

1.169.678 978.113 191.565 44.709 47.005 886.399 283.279

Em São Paulo, o grande bloco do protesto popular, formado pelos eleitores que se negaram a comparecer à seção eleitoral e os que compareceram, marcando branco ou nulo, foram cerca de 2.496.513 eleitores, ou seja, quase um terço do eleitorado. Mais ou menos a mesma proporção ocorreu no Rio de Janeiro, em Porto Alegre, em Belo Horizonte e em Recife. Isto para não falarmos da maioria dos jovens com mais de dezesseis anos que se recusaram a tirar o título. Este fenômeno vem inquietando os porta-vozes da imprensa dos monopólios que comentam a questão, mas, até agora, não analisaram as suas causas. O que ocorre é que eles não querem passar recibo de que sua velha e corrupta democracia burguesa em decomposição está caindo aos pedaços.

O engodo dos votos válidos

A prova maior de que, nesta democracia de fachada, não prevalece a vontade da maioria é a determinação da justiça eleitoral de excluir a abstenção e os votos brancos e nulos do cálculo, para apontar os eleitos para os cargos majoritários e para o cálculo do coeficiente eleitoral que definirá os eleitos na disputa proporcional.

Pela soma das abstenções, votos brancos e nulos, o leitor verá nesta amostra de quatro capitais a massa de eleitores cujo posicionamento posicionamento político é desconsiderado para a definição e legitimidade de quem deverá gerir o destino de sua cidade.

Os "eleitos" pela minoria

Muito festejados pela imprensa dos monopólios, pelo que ela considerou suas expressivas votações ou o elevado percentual de "votos válidos", Fortunati em Porto Alegre e Paes no Rio de Janeiro, na verdade, não obtiveram a maioria dos votos do eleitorado, como demonstramos no quadro acima, onde a votação de ambos ficou abaixo da metade mais um do eleitorado. A proclamação de suas vitorias só foi possível pelo artifício da exclusão das abstenções e dos votos brancos e nulos.

Compare os resultados de Belo Horizonte e Recife e constatará o mesmo fenômeno.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O movimento dos sem votos (MSV)

Mais uma vez a "esquerda" eleitoreira vive sua experiência sadomasoquista. Sua participação na farsa eleitoral, ajudando a enganar as massas e na avalização da farsa eleitoral como democracia, só contribui para a legitimação da opressão e exploração das classes trabalhadoras e sua manutenção. Por outro lado, ela se compraz a cada eleição de contemplar seus percentuais de votos cuja soma sempre fica abaixo de 1% do eleitorado. Exclua-se deste bloco o PT, o PCdoB, o PDT, o PSB, o PV, o PPS e parte do PSOL que por sua degeneração há muito conquistaram seu espaço entre os partidos burgueses. Isto não quer dizer que PSTU, PCO, PPL e PCB não almejem ingressar neste apodrecido clube. É falta de dinheiro mesmo, porque esforço não falta, basta ver suas alianças tanto no primeiro como no segundo turno.

Os comitês contra a farsa eleitoral

A revolta acumulada dos camponeses, dos moradores das periferias e das favelas, das mulheres, dos trabalhadores e estudantes é a base do repúdio da imensa parcela do eleitorado nessas eleições. Antes havia um sentimento difuso e uma inquietação na busca de encontrar uma proposta que viesse a atender aos anseios dos moradores da municipalidade. Hoje, porém, depois que todas as frações do partido único tiveram sua oportunidade de gerenciar os municípios e nada de fundamental ou mesmo de significativo se alterou na vida do povo, o que era um sentimento difuso começou a confluir para o entendimento de que o processo eleitoral é realmente uma farsa.

Se é possível falar de algo novo nessas eleições, é digno de destaque o surgimento de um sem número de comitês contra a farsa eleitoral, chamando à abstenção e ao voto nulo. Manifestações de rua, com faixas e distribuição de panfletos, levaram à população o esclarecimento sobre o real significado das eleições em um país semicolonial, cujas classes dominantes exploradoras usam o processo eleitoral para manter em nível máximo a sua exploração sobre o conjunto do povo. Ademais destacaram-se os comitês que, ao chamar a não votar, denunciando o caráter farsante desse processo, levantaram a bandeira da revolução de nova democracia ininterrupta ao socialismo. Todo o movimento de boicote deve seguir avançando e junto com a palavra de ordem de não votar ou votar nulo devem propagandear a Revolução, como único caminho democrático para as massas exploradas e oprimidas conquistarem sua libertação para se estabelecer a Nova Democracia não apenas em seu município, mas em todo o país.

50% + 1 voto do eleitorado Votação do eleito Soma de A+B +N*
Rio de Janeiro 2.359.804 Paes 2.097.733 1.472.537
Porto Alegre 538.133 Fortunatti 517.969 281.999
Belo Horizonte 930.372 Lacerda 676.215 576.673
Recife 584.840 Geraldo 453.380 283.279


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja