Um 'FMI europeu' para dar fôlego aos monopólios

A- A A+

A Europa do capital monopolista, afundada em profunda agonia em decorrência da crise geral de superprodução relativa que apodrece os alicerces do capitalismo global, acaba de criar, nas palavras dos seus idealizadores, "um instrumento chave na nova arquitetura da Zona do Euro", que, na prática, é mais um mecanismo para dar sobrevida aos monopólios carcomidos e para oprimir as massas trabalhadoras dos elos mais fracos da União Europeia, tudo nos mesmos moldes do famigerado Fundo Monetário Internacional (FMI).

Trata-se do Mecanismo Europeu de Estabilidade, monstrengo jurídico e infâmia política criado de forma oportunista, em meio à crise, para sacramentar, perpetuar e agravar um cenário a cada dia mais nítido na Europa, e que há tempos vem sendo ressaltado por este jornal: o de numerosas nações do continente chafurdando-se em condições semicoloniais muitíssimo semelhantes às das nações asiáticas e latino-americanas, por exemplo, historicamente situadas na condição de fortemente exploradas na divisão internacional do trabalho. São os casos de Portugal, Espanha e Grécia e até de países que já tiveram características imperialistas, como a Itália.

O Mecanismo Europeu de Estabilidade entrou em vigor no último dia 27 de setembro após ser ratificado por 17 países da Zona do Euro. Condensado na sigla MEE, o mecanismo teve a sua reunião inaugural no dia 8 de outubro, da qual participaram os integrantes do seu conselho, que são os ministros das Finanças das 17 nações signatárias.

Com sede em Luxemburgo, o MEE foi criado com a função expressa de "prestar assistência financeira aos Estados membros da Zona do Euro que enfrentem ou estejam ameaçados por problemas de financiamento graves, se tal for indispensável para salvaguardar a estabilidade financeira na Zona do Euro como um todo".

Mas o real objetivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade está também expresso nos autos de sua fundação, ainda que secundariamente, esfumaçado. Qual seja: "A assistência do MEE será concedida sob estrita condicionalidade de política econômica". Trata-se de a Europa do capital monopolista, capitaneada pela Alemanha, impondo aos elos mais fracos do "bloco europeu" a intervenção institucionalizada em matérias como salários, aposentadoria, direitos trabalhistas em geral, isenções fiscais para os monopólios, privatizações e questões nevrálgicas que tais.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja