Censura e perseguição nas redes sociais

George Orwell representou com potência em sua obra "1984" e, em especial, com detalhes de seu personagem ubíquo – ainda que invisível, The Big Brother (O Grande Irmão) - o que é o controle e abuso onipotente de um Estado totalitário. Uma história que consegue, através da genialidade narrativa, os alcances do processo de perseguição exercido por uma máquina burocrática-policial sobre as pessoas, empregando para tal múltiplos recursos humanos e tecnológicos.

Paradoxalmente, Orwell – de alguma forma subliminar – também põe a nu em 1984 os temores, as paranoias e as debilidades da elite que controla as engrenagens deste aparato perseguidor. É um temor sem medida que é capaz de superar toda a possibilidade de ter a mínima confiança no mesmo sistema que as representa.

O aparecimento das redes sociais, agora, não só dificulta a ubiquidade de quem controla o Estado, mas também dos usuários individuais e independentes. Eles podem usar e dizer o que quiserem no Facebook, nos blogs, Twitter e demais redes sociais, amparados pelo anonimato, por pseudônimos ou adotando identidades diversas ou pouco convencionais. Consideramos absolutamente válidas estas variações identitárias, ainda mais quando se desconfia do respeito à liberdade de expressão que muitos Estados proclamam liricamente em suas constituições políticas, mas que na prática não costumam respeitar.

As redes sociais mencionadas causaram furor a partir de 15 de maio de 2011, quando se realizaram grandes manifestações em vários lugares do mundo, em muitas ruas e praças, através de uma simples convocatória realizada na internet.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza