Música brasileira com jeitinho caipira

A- A A+

Comprometidos com a música popular cultural brasileira, a dupla paulistana Moacyr e Sandra realiza um trabalho voltado para a música caipira, com influências da cultura musical adquirida individualmente, que inclui choro, seresta, bossa nova e a viola tradicional. Casados, a dupla lançou seu primeiro disco e logo caiu no gosto das Galvão, que abraçaram o trabalho e tornaram-se suas principais divulgadoras. 

http://www.anovademocracia.com.br/99/10a.jpg

– Comecei com música há vinte e sete anos em um programa de calouros. Depois participei da bossa nova, quando conheci alguns compositores e fiquei bastante entrosada. Fazia algumas festas particulares e em uma dessas, em 1995, conheci o Moacyr no palco. Começamos uma amizade, um namoro e depois veio o casamento. A partir daí pensamos numa dupla – conta Sandra.

– Logo percebemos que também tínhamos um bom casamento de voz, o que é difícil acontecer com casal, porque normalmente irmãos que tem essa facilidade, por cantar juntos desde cedo. Então estava tudo certo, o problema foi na hora de escolher uma linha a seguir, já que tínhamos muitas boas influências musicais – continua.

– Além da bossa nova, cresci ouvindo choro. Minha família é toda de músicos e a maioria deles tinha intimidade com o cavaquinho e o bandolim, e fazia saraus com rodas de choro na casa que foi dos meus tataravós, no interior de Minas. Mas também tinha música caipira por lá. Meu avô tocava rabeca em grupo de folia de reis, por exemplo. A música caipira e a música folclórica vieram me acompanhando – constata.

Já Moacyr tem a influência dos bailes que participou e da viola que aprendeu a tocar com o Lorito, da dupla Lorito e Loreto.

– Conheci o Lorito com doze anos de idade, através do meu pai. Ele e o Loreto, seu irmão, cantavam muito bonito, e me apaixonei quando ouvi a sua viola. Pedi, e ele me ensinou a tocar. Ia à sua casa e ele tinha prazer de me passar o que sabia. Até uns cinco anos atrás ainda era vivo e mantínhamos contato, mas nunca fizemos dupla – conta.

– Nós somos de São Paulo capital, mas tanto da parte do Moacyr quanto da minha existe uma vivência rural muito forte. Sou filha de mineiros e boa parte da minha infância e juventude, por conta das viagens de férias, passei convivendo com meu primos em Cordislândia, interior de Minas, próximo a Pouso Alegre e Três Corações – acrescenta Sandra.

– Meus familiares são de Capivari, interior paulista, próximo a Tietê, Piracicaba, região que tem uma influência caipira muito forte. Meu pai era seresteiro e tocava violão em rodas de amigos. Cresci ouvindo radinho em baixo do travesseiro quando ia dormir. Era Tião Carreiro, Tonico e Tinoco, Bambico, só violeiros tradicionais, moda de viola, pagodes – fala Moacyr.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja