Galpão: 30 anos de teatro popular

A- A A+
Pin It
http://www.anovademocracia.com.br/99/09a.jpg
Romeu e Julieta, encenada há 20 anos e assistida por 40 mil pessoas, continua emocionando a plateia

Em 2012, o Grupo Galpão comemora 30 anos do teatro popular mais genuíno e político do Brasil. As comemorações começaram em maio, em Londres, com a apresentação de "Romeu e Julieta" no Shakespeare's Globe. Depois, passaram por várias cidades do Brasil para encerrar a festa no Rio de Janeiro, onde AND conversou com Eduardo Moreira, um dos fundadores do Grupo Galpão.

Acho que tínhamos que celebrar nossos 30 anos porque é um grupo que conseguiu se consolidar, com uma proposta de trabalho, de pesquisa de linguagem, com um teatro de grupo, que é muito difícil de acontecer no Brasil. Nesse sentido, a trajetória do Galpão é uma trajetória vitoriosa, aponta pra muitas pessoas, principalmente as mais jovens, que esse é um caminho possível.

E quando o ator se refere à trajetória do Galpão, ele está falando de um grupo de atores que funda uma companhia de teatro em 1982, que encenou 20 espetáculos para mais de um milhão e meio de espectadores, ganhou mais de cem prêmios no Brasil, se apresentou 2.500 vezes em mais de 600 cidades, em 18 países diferentes e participou de 41 festivais internacionais e outros 70 nacionais. E o Galpão não é só isso. Além de todo o trabalho teatral realizado por seus 12 atores, eles também mantêm o Galpão Cine Horto, em Belo Horizonte (MG), um centro cultural onde são oferecidos cursos, oficinas e promove-se um encontro do Grupo com o povo da cidade.

Segundo Eduardo, para o Galpão, o encontro com o público, comunicar-se da maneira mais direta possível com seu espectador, é um ponto central:

Eu acho que o Galpão se preocupa em sempre buscar uma comunicação direta com o público, de fazer um teatro que comunica, que tem algo a dizer para o público. Acho que um dos grandes problemas do teatro é a falta de clareza com o que você quer dizer, então essa comunhão, essa recepção do espetáculo através do público é muito importante para nós.

Acho que o nosso teatro mistura entretenimento com reflexão, questões importantes da contemporaneidade para as pessoas refletirem sobre os problemas do mundo. A gente espera que o público, primeiro, desenvolva um gosto pelo teatro. E depois que ele pense, que ele queira melhorar o mundo, ajudar a fazer com que o mundo seja melhor, mais educado, que as pessoas se respeitem mais, que exista um princípio de vivência mais humano e igualitário, e a gente reflete essas preocupações no teatro que fazemos – continua Eduardo Moreira.

E o Grupo consegue levar todas as reflexões sociais e políticas para o teatro através de uma veia cômica, que diverte sem embrutecer o espectador. Além disso, a linguagem utilizada pelo Grupo também é essencial. Eles conseguem unir o contemporâneo à tradição, o popular ao erudito, o palco e a rua, mostrando versatilidade e criatividade.

Acho que tem um pouco a ver com a formação do grupo. O Galpão é um grupo de atores que trabalha com diferentes diretores. Então acho que a nossa linguagem, de certa maneira, é uma soma das influências desses diretores, dessas linguagens, dessas maneiras distintas de ver o teatro, que nós trabalhamos nos últimos 30 anos. Então isso criou um grupo que é multifacetado, um grupo que tem muitas caras. Nossos trabalhos tocam em coisas estéticas e filosóficas muito distintas. Realmente tem isso do contemporâneo e do tradicional, do brasileiro e do universal, do popular e do erudito, da rua e do palco, são vários elementos distintos, mas que a gente tenta fazer uma fusão, uma síntese disso tudo numa coisa que é essencialmente muito brasileira porque o que caracteriza a nossa cultura é essa absorção, é um caldeirão cultural – explica Eduardo Moreira.

Romeu e Julieta

O Parque Madureira, no bairro de Madureira, zona norte do Rio de Janeiro, ficou repleto de famílias, jovens, crianças, todos muito atentos àquela história antiga e ao mesmo tempo atual representada no centro da praça, no Palco do Samba. Todo mundo parou para ver, ficaram de pé, sentaram-se no chão e por uma hora e meia se deliciaram com o melhor teatro do Brasil. Era o povo na praça para ver o Grupo Galpão.

A história de Romeu e Julieta, mesclada com músicas regionais – encantou e fez cantar os presentes – que acompanhavam os atores, cantando baixinho.  A obra, que é encenada há 20 anos pelo Galpão e já foi vista por 40 mil pessoas, continua a emocionar. E Eduardo Moreira acredita que o sucesso do espetáculo se deve ao olhar brasileiro que o Grupo conseguiu imprimir na montagem:

– A obra tem um olhar sobre a história do Romeu e Julieta que é muito brasileira. É uma obra contada através da ingenuidade, focado na cultura popular, isso cativa muito as pessoas. O sucesso do espetáculo é uma consequência disso.

Próximos projetos

E mesmo com seus 30 anos, o Galpão não pensa em parar. O Grupo está montando um novo espetáculo para 2013. Com direção de Gabriel Vilela, mesmo diretor de Romeu e Julieta, estão montando a peça Os gigantes da montanha, último texto do dramaturgo italiano Luigi Pirandello.

– É uma fábula que coloca uma discussão sobre o lugar da arte, da poesia, no mundo de hoje dominado pelo pragmatismo, pelo capitalismo, pelo senso prático, então qual é o lugar possível da arte nesse mundo? Levar esse espetáculo para a rua vai ser muito interessante esse encontro com o público da rua, especialmente com um projeto dessa qualidade – explica Moreira.

E a ideia do Galpão é continuar ocupando todos os lugares, todas as praças possíveis, levando o teatro popular, o teatro que quer contribuir com as reflexões políticas e sociais para o povo brasileiro.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja