Nota em repúdio a prisão do Padre Amaro

Nota em repúdio a prisão do Padre Amaro

Print Friendly, PDF & Email

Repercutimos a seguir nota feita pela Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) em repúdio a prisão de Padre Amaro, membro da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e grande defensor das lutas do povo.


A Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia vem a público repudiar a prisão do Padre José Amaro Lopes de Souza da Comissão Pastoral da Terra (CPT). O Padre Amaro foi preso no dia 27 de março em Anapu, cidade localizada no Sul do estado do Pará.

A prisão do Padre Amaro significa um ataque a todos os lutadores do povo, em especial, àqueles que apoiam e defendem o direito à terra para quem nela vive e trabalha. Sua prisão é eminentemente política, uma declaração de guerra da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará, entidade dos latifundiários e ruralistas, deixando claro que o Judiciário e a Polícia Civil de Anapu, assumindo seu caráter de serviçal das classes dominantes do Estado brasileiro, cumpriu com os interesses dos latifundiários. Num claro atestado de culpa, a FAEPa emite nota de maneira a “difamar” o Padre Amaro acusando-o de “associação criminosa e ser líder incentivador da luta pela terra.” Escancarando o processo de perseguição política, a nota de profundo teor fascista, ainda culpabiliza a ala de esquerda dos Bispos de se aliar com os que defendem os credos marxistas. De acordo com Mauro Lopes2, a Igreja Católica nunca havia recebido um ataque tão virulento como este.

Esse ataque se insere no contexto de criminalização das organizações e movimentos populares pelo falso “Estado Democrático de Direito” brasileiro, para criar opinião pública que justifique a guerra reacionária das classes dominantes já em curso contra as forças democráticas e revolucionárias e a vã tentativa de conter a brava e heroica fúria das massas camponesas, indígenas e quilombolas desse país, que almejam, pela sua necessidade objetiva um pedaço de terra para nela dignamente viver!

Isto jamais conseguirão! Na verdade, essa injustiça escancara o desespero das classes dominantes em deter a crise econômica, política e moral desse velho estado putrefato que agoniza desesperadamente diante do seu fracasso. As massas do campo e da cidade do Sul e Sudeste do Pará estão avançando na sua organização e responderão à altura cada golpe perpetrado pelo velho Estado contra o direito a terra e aos direitos do nosso povo, dando ultimato e enterrando esse período da história marcado pela concentração de terras e dos meios de produção nas mãos de uma minoria moribunda e parasita que sobrevive da exploração mais vil do nosso povo.

As organizações presentes no II Encontro de Camponeses do Sul e Sudeste do Pará, do qual a ExNEPe fez parte, reafirmaram o apoio a campanha pela liberdade de mais um lutador do povo e declararam a solidariedade à CPT e aos companheiros e companheiras de luta do Padre Amaro.

Exigimos Liberdade já ao Padre Amaro!
Abaixo as perseguições e prisões políticas aos lutadores do povo!
Abaixo o golpe e os golpistas!

Ao longo das últimas duas décadas, o jornal A Nova Democracia tem se sustentado nos leitores operários, camponeses, estudantes e na intelectualidade progressista. Assim tem mantido inalterada sua linha editorial radicalmente antagônica à imprensa reacionária e vendida aos interesses das classes dominantes e do imperialismo.
Agora, mais do que nunca, AND precisa do seu apoio. Assine o nosso Catarse, de acordo com sua possibilidade, e receba em troca recompensas e vantagens exclusivas.

Quero apoiar mensalmente!

Temas relacionados:

Matérias recentes: