China: Operários são humilhados no trabalho; governo é conivente

A- A A+

Operários de uma empresa chinesa de reformas domiciliares foram obrigados a beber urina e a comer insetos, como baratas, na primeira quinzena de novembro, segundo noticiou o monopólio de imprensa Reuters. Os operários que se recusassem a submeterem-se ao castigo, por não terem cumprido as metas de produção, seriam chicoteados ou demitidos. Tudo ocorreu na província de Guizhou, no sudoeste do país.

Outros operários tiveram que raspar a cabeça ou beber água do vaso sanitário. Os castigos, impostos pela gerência da empresa, foram públicos e na presença de todos os demais operários e funcionários. A imprensa estatal chegou a noticiar o caso.

O governo fascista chinês “puniu” os gerentes da empresa: eles ficaram de cinco a dez dias na prisão. A pena, praticamente simbólica, foi a forma que os revisionistas decidiram para impedir que novos casos de humilhação ocorram, segundo informou o Birô de Segurança Pública (órgão governamental) da região.

Desde 1976, casos como este ocorrem cotidianamente na China. Nesse ano, o regime socialista foi desmantelado e, em seu lugar, os governantes chineses – que posavam de “comunistas” – instauraram um regime econômico capitalista e social-imperialista e um regime político de tipo fascista, abandonando o comunismo e relegando os interesses da classe operária. Os ensinamentos do Presidente Mao Tsetung (fundador da República Popular da China), chamados na época de marxismo-leninismo-pensamento mao tsetung, foram abandonados na prática, mas ainda hoje os governantes apresentam-se como “seguidores de Mao” para enganar o povo e usar o prestígio deste grande dirigente comunista.

No entanto, apesar de apresentarem-se como comunistas, os governantes fascistas da China atual estão sendo desmascarados pelo proletariado e por ativistas maoistas. Desde julho deste ano, operários de uma fábrica de Shenzhen, província de Guangdong, lutam contra a superexploração e pelo direito a organização sindical, enquanto jovens estudantes, que organizam estudos sobre marxismo, são reprimidos nas universidades por “ações subversivas” e “motins contra a paz pública”.


Xi Jiping, presidente da China fascista, é conivente com humilhação do proletariado

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja