Governo da Nicarágua fecha emissora de TV e prende dois jornalistas

A- A A+
Pin It

Cartaz com a foto dos dois jornalistas presos, Miguel Mora e Lúcia Pineda. 

A policia da Nicarágua, a mando do governo oportunista e vende-pátria de Daniel Ortega, invadiu e tirou do ar a emissora nacional de televisão “100% noticias”, na noite do dia 22 de dezembro. Seu diretor, Miguel Mora, foi preso sob a acusação de “fomentar e incitar o ódio e a violência no país”.

Além de Mora, também foi presa a diretora de imprensa do canal de TV, Lúcia Pineda, a segunda a ser presa desde os massivos protestos populares ocorridos em abril contra as reformas antipovo do governo. A jornalista foi conduzida sob sigilo pela força policial até um juizado em Manágua, capital da Nicarágua. A família não foi avisada e não teve direito de mandar um defensor legal, e as informações sobre o paradeiro atual de Pineda não foram dadas pela polícia até o momento. O governo também desabilitou dezenas de entidades democráticas e expulsou do país duas comissões de “direitos humanos”.

Diversos os direitos contra as liberdades democráticas, como a de imprensa, estão sendo violados com base no argumento de “tentativa de golpe de Estado”, objetivando esmagar os protestos populares e repreender a insatisfação das massas contra a miséria e o desemprego que imperam sobre os mais pobres. Por outro lado, é certo que grupos de extrema-direita, atuando ao lado de grupos paramilitares, provocam e realizam sequestros e assassinatos de lideranças e apoiadores do governo atual.

Os protestos de abril e a intervenção ianque

Os protestos contra a miséria e superexploração se iniciaram em abril após decreto do governo “reformando” o sistema previdenciário da Nicarágua, impondo o aumento da contribuição previdenciária e o tempo de trabalho necessário para ter direito à aposentadoria. A repressão aos protestos foi brutal e, mesmo conseguindo derrotar a contrarreforma, o povo seguiu aumentando os protestos, exigindo a renúncia de Daniel Ortega e de seu regime arquirreacionário.

Nos bairros da capital Manágua e de outras importantes cidades, o povo se entrincheirou em bloqueios nas ruas para se defender com paus, pedras e rojões, quando passou a ser atacado diretamente pelas forças de repressão ou por grupos paramilitares governistas que, encapuzados, alvejam manifestantes e removem os “tranques”, como são conhecidos os bloqueios de ruas por todo tipo de material.

Em meio à justa rebelião popular contra o governo antipovo e vende-pátria de Daniel Ortega, da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), digladiam-se o oportunismo eleitoreiro à cabeça do velho Estado, que massacra os protestos; e o imperialismo ianque, que se bate por dirigir a insatisfação popular, dando seguimento a sinistros planos de aumentar o controle sobre a América Latina. As massas populares nicaraguenses, carentes de direção revolucionária, seguem lutando pela derrubada de Ortega.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja