Governo militar de Bolsonaro fixa salário menor que o previsto

A- A A+
Pin It

No primeiro decreto do novo governo reacionário e vende-pátria do Brasil semicolonial, o salário mínimo foi fixado em R$ 998,00 para todo o ano de 2019. O decreto fixa o salário mais baixo do que o previsto pelo orçamento do governo anterior (de Temer), que havia sugerido o valor de R$ 1006,00, considerando-o aplicável.

O primeiro decreto foi assinado em 1º de janeiro, logo após a cerimônia de posse que Bolsonaro e seu vice e general, Hamilton Mourão, participaram.

Essa é a primeira medida desferida contra os direitos do povo pelo governo militar de Bolsonaro e asseclas, mas certamente não será a única. Bolsonaro ganhou a simpatia dos banqueiros, latifundiários, empreiteiros e do “mercado” prometendo diminuir os direitos do povo, baixar salários, precarizar, privatizar e manter sucateado os serviços públicos (educação, saúde, habitação etc.), enquanto ataca e reprime as organizações classistas de luta, tudo para garantir fabulosos lucros para estes setores.

Foto mostra Bolsonaro, no centro, com ministros empossados (Onyx Lorenzoni à esquerda, vice-presidente Mourão e novo ministro da Justiça Sergio Moro)

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja