Liga Operária rechaça salário mínimo de fome de Bolsonaro e conclama à greve geral

A- A A+

Foto ilustrativa - Greve dos Caminhoneiros/Junho de 2018


Repercutimos abaixo convocação da Liga Operária, enviada para nós por emai, para uma Greve Geral contra o decreto antipovo de Bolsonaro - que procura impor um salário de miséria ao trabalhador. 


Em seu 1º decreto Bolsonaro faz o povo pagar a festa de posse

Em uma festa cheia de pompas e seguranças espalhadas por todo o canto, que custou o dobro do custo das posses de seus antecessores, gastando R$ 1 milhão de reais, o atual gerente militar reacionário Jair Messias Bolsonaro – PSL mostra pelo que veio já em seu primeiro decreto cortou de cada brasileiro R$8,00 ao fixar em R$998,00 o já minguado salário mínimo, o que para alguns desavisados e influenciados pelos monopólios de imprensa, que logo buscaram declaração de “populares” pedindo opiniões sobre o fato e apenas levaram ao ar os famosos: “Antes pingar que faltar”, ou então “mostra que alguma coisa esta sendo feita e cada um deve entender isso”, tais respostas são dadas de forma isolada, pois se o trabalhador somar o número de trabalhadores que sobrevivem exclusivamente de um salário mínimo, ou depende do índice de reajuste do mínimo para estipular os seus pisos, verá que rombo é de R$ 536 milhões ao mês e R$ 6.968 bilhões no ano.

O fato ocorreu porque o cadáver insepulto Michel Temer – MDB, que havia estipulado em R$1.006,00 o salário mínimo, não assinou o decreto de lei, que também não supriria as necessidades básicas dos trabalhadores. Isso ocorre porque a política de arrocho aplicada por todos os gerentes de turno paulatinamente tiram o poder de compra do salário mínimo, o que podemos notar desde quando foi estipulado em 1936 (na época, o salário permitia ao trabalhador o acesso a: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.), hoje esse salário deveria ser por volta de R$4 mil reais (R$3.959,98) de acordo com o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

A Liga Operária tem denunciado essa política há décadas e para romper com essa política, sempre levantou a bandeira da Greve Geral, para contrapor à vergonhosa conciliação de classes feitas nos gabinetes em Brasília, principalmente através das cúpulas das centrais sindicais. E por isso, volta a convocar todos os democratas e lutadores do povo a se organizar e lutar sob as consignas: “Greve Geral de Resistência Nacional: - pela revogação da “reforma” trabalhista – contra a “reforma” da Previdência – contra a medida antipovo e vende-pátria  e – em defesa do direito de Greve, de Manifestação e de Organização”, consignas essas que foram aprovadas por mais de 20 entidades na celebração dos 30 anos da retomada do sindicato pela Marreta, por entenderem que esse é o único caminho do povo para barrar todos esses ataques contra seus direitos e garantir a soberania nacional.

Os monopólios de imprensa logo buscam oferecer os holofotes ao reacionário gerente militar Jair Bolsonaro – PSL, para tentarem empurrar as reformas mais nefastas ao povo o mais rápido possível, em nome da “democracia” e dos resultados do último pleito eleitoral, não querem que o povo acorde dessa letargia causada pelos massivos ataques midiáticos de “grande salvador do povo”. O gerente atual, nem bem esquentou a cadeira, seus assecla e lambe-botas já falam com a maior naturalidade em acabar com os direitos trabalhistas, de “reformar” a Previdência Social, de privatizar todas as estatais, baixar política antipovo e vende-pátria, de não permitir o direito de greve, de manifestação e de organização e para isso, contam com um Congresso Nacional reacionário e vendido (comandado pela bancada do Boi, da Bíblia e da Bala) e alguns generais militares, que utilizam a onda anti-PT e seus satélites oportunistas eleitoreiros que macularam as principais bandeiras de nossa classe, em troca de um posto no velho e podre Estado burguês/latifundiário para satisfazerem-se de seus programas eleitoreiros e populistas.

O atual ministro da Economia Paulo Guedes fala que para o Brasil superar as dificuldades, deve “abandonar as leis fascistas da ‘Carta del Lavoro’” (referindo-se a CLT), nessa, o que temos ouvido há algum tempo pelos defensores dos cortes de direitos dos trabalhadores e também diz que a Previdência Social é uma “fábrica de desigualdades”, tentando se sobressair com o povo predica “Quem legisla e julga tem as maiores aposentadorias, e a população, as menores”, mas e os que estão a favor da “reforma” da Previdência, não são os mesmos privilegiados?

É muito importante, que o povo brasileiro da cidade e do campo se prepare para uma grande tempestade que está por vir, para isso deve se organizar de forma decisiva e conhecer melhor as forças que pode contar. Sabemos que muitos nesse momento buscarão se adaptar aos ditames do novo serviçal do imperialismo, principalmente ianque, rodeado de generais e avalizado pelo Estado sionista de Israel, a nossa força está em nossa unidade e não nas cisões causadas por interesses que não estão contidos em nossa causa. Devemos buscar uma unidade tática, defendermos uma pauta comum e bem definida e debatida com todos através de comitês municipal, estadual e federal.

O decreto lei de Bolsonaro tirou diretamente dos mais necessitados, mais uma vez buscam colocar nas costas dos trabalhadores o ônus, enquanto por outro lado, buscam refastelar-se ao máximo extraindo os bônus divididos entre seus pares reacionários que seguem concentrando cada vez mais as riquezas do país nas mãos de uma minoria. Não há outro caminho! A não ser o da luta! E essa deve ser travada por toda classe dos explorados sem baixar a guarda, pois quando titubeamos o nosso inimigo se aproveita e nos coloca em cizânia e por isso temos de buscar a nossa unidade de ação tática, sem deixar se influenciar pelos vendilhões dos direitos do povo e principalmente das cúpulas das centrais. Criar comitês de debates em todas as regiões, nos bairros e nos locais de trabalho e não aceitar que as cúpulas das centrais capitaneiem os movimentos, devemos lutar e entender que a luta e dura e de que as massas fazem a história, desde que esteja convicto de sua posição.

PREPARAR A GREVE GERAL DE RESISTÊNCIA NACIONAL, JÁ!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja