Dirigido pelo USA, ‘Grupo de Lima’ avança os planos de intervenção contra a Venezuela

A- A A+

Secretário de Estado ianque, Mike Pompeo cumprimenta presidente da Colômbia, Iván Duque, durante encontro em Cartagena 

O autodenominado “Grupo de Lima”, composto por governos de 13 países latino-americanos, decidiu não reconhecer o governo venezuelano de Nicolás Maduro, que toma posse de um novo mandato no dia 10 de janeiro. A deliberação foi tomada em reunião ocorrida em 4 de janeiro. O atual ministro de Relações Exteriores do governo militar de Bolsonaro, Ernesto Araújo, participou da reunião.

Na reunião, os governos tomaram a decisão de não reconhecer o governo venezuelano como legítimo e constitucional e exortaram a que Maduro entregue o poder ao parlamento – de maioria oposicionista.

O Grupo de Lima é uma organização criada em 2017 por iniciativa do governo peruano, instado pelo imperialismo ianque, com o objetivo de isolar o governo venezuelano e aumentar a pressão política e econômica sobre o regime de Nicolás Maduro, com o objetivo imediato de “restabelecer a democracia na Venezuela”.

Hoje, o Grupo de Lima, coordenado pelo imperialismo ianque – na pessoa do Secretário de Estado ianque, Mike Pompeo, que dirige pessoalmente os trabalhos do Grupo –, pressiona o governo de Maduro a dissolver a Assembleia Constituinte, convocada por ele em 2017. A Assembleia Constituinte, de caráter corporativista, detém poder supremo e substituiu, assim, o parlamento venezuelano, removendo do poder os grupos de “oposição”.

O Grupo de Lima é composto pelos governos do Brasil, Peru, Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá e Paraguai. Além dos países oficiais, tudo indica que haverá a participação nas reuniões, por meio de videoconferência, do secretário de Estado do imperialismo ianque, Mike Pompeo.

A CRISE NA VENEZUELA

A grave crise social, política e institucional na Venezuela é resultado de uma grave crise econômica do capitalismo burocrático daquele país. A economia venezuelana é sustentada pela exportação de commodities, especialmente de petróleo bruto (95% das exportações), e o maior comprador é o USA, seguido pela China. Assim, a relativa estabilidade econômica e política que o governo de Hugo Chavez gozou de sua eleição em 1999 até 2013 foi devido à alta nos preços do petróleo no mercado internacional, que variou em 2013 e jogou a economia venezuelana no buraco.

A crise econômica e a fuga de capitais (plantas industriais e capitais imperialistas saindo do país) levaram a uma briga interna ainda maior entre os setores da grande burguesia venezuelana, especialmente entre a fração compradora (bancos e monopólios financeiros) e a fração burocrática (monopólios industriais ligados ao Estado) que buscam maior controle do aparelho de Estado para destinar os recursos para seus respectivos negócios.

O imperialismo ianque, buscando estabilizar o país para melhor saqueá-lo e para superexplorar os trabalhadores venezuelanos, estimula e impulsiona os grupos de poder da fração compradora da grande burguesia a subverterem o regime de Nicolás Maduro e instalarem em seu lugar um novo governo. Desde que assumiu a presidência, Donald Turmp, cabeça do USA, chegou a mencionar que estuda “uma opção militar” para solucionar a crise na Venezuela; outros funcionários do imperialismo ianque dizem abertamente na possibilidade de um golpe de Estado contra Maduro.

Entre o fogo cruzado reacionário dessas frações da grande burguesia, quem sofre são os operários, camponeses e trabalhadores em geral, além dos pequenos e médios proprietários. A inflação chega a 13 mil por cento, e o desemprego deve chegar a 36% até 2022. O alto desemprego e o salário miserável faz com que as famílias não consumam e isso aumenta a falência de pequenas e médias empresas nacionais, o que, por sua vez, aumenta o desemprego e o colapso social.

O Movimento Popular Peru (Comitê de Reorganização) – organismo gerado do Partido Comunista do Peru para o trabalho internacional –, em comunicado publicado em setembro de 2018, afirmou: “Ao proletariado da Venezuela apresenta-se uma grande oportunidade de reconstituir seu Partido Comunista, pois é uma necessidade. O proletariado deste país, representado por sua vanguarda, tem que lutar por dirigir a luta armada opondo-se à intervenção militar do imperialista se esta ocorrer. Independente da situação, os revolucionários maoistas na Venezuela devem pôr-se à cabeça da luta das massas a dirigi-la contra o imperialismo, a semifeudalidade e o capitalismo burocrático, transformando a luta armada em guerra popular, tudo para fazer a revolução”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja