Mais de 300 mulheres foram vítimas de estupro por ‘João de Deus’

A- A A+
Pin It

No mês de dezembro do último ano explodiram centenas de denúncias de mulheres que foram abusadas pelo líder religioso João Teixeira de Faria, conhecido com “João de Deus”, em suas supostas sessões de cura. Os diversos casos vieram à tona depois que Zahira Leeneke Maus, uma coreógrafa holandesa, fez uma denúncia pública em uma rede social e foi a um programa de televisão relatar o crime, ocorrido há 4 anos.

O “médium curador” se aproveitava da fragilidade de suas vítimas, que vinham a ele na esperança de encontrar cura para suas enfermidades e acabavam por ser estupradas. “João do Diabo”, como está sendo chamado João Teixeira pela população goianiense, fazia estelionato e chantageava as vítimas a tocar as partes íntimas dele, deixarem ser tocadas, masturbá-lo e ter relações sexuais com ele como único “método” para serem curadas.

Até o momento, são aproximadamente 330 denúncias de mulheres, muitas das quais relatam que sofreram abusos várias vezes. Acredita-se que o número de mulheres violentadas possa chegar a mais de 500, advindas desde a década de 1980.

João Teixeira não era apenas um “líder religioso”, é também uma figura influente politicamente no estado, sendo amigo e parceiro de negócios da alta oligarquia latifundiária goiana. As recentes investigações o apontam como líder de quadrilhas criminosas que atuam na região da cidade de Abadiânia, no interior do estado de Goiás. Ele também tem envolvimento com atividades mineradoras, às quais o deixaram milionário, além de que políticos de todo o país vieram se encontrar com ele. João é dono de dezenas de casas e propriedades rurais no estado, além de ter vários carros de luxo e até mesmo um avião em sua propriedade. Possui uma farmácia que produz remédios “artesanais” em escala industrial e uma conta bancária com R$ 34,2 milhões. Também possui denúncias de charlatanismo, pedofilia, contrabando, atentado ao pudor e homicídio.

As inúmeras denúncias revelam um duplo caráter semifeudal do estado de Goiás e de todo o Brasil. Em primeiro lugar, na relação com que as mulheres são vistas e tratadas, vítimas de exploração e abusos sexuais, só puderam ser ouvidas depois que figuras de renome relataram os abusos, e mesmo assim, há quem acredite que as centenas de denúncias são falsas, ou ainda que “não deveriam difamar uma figura tão importante quanto João de Deus por questões tão insignificantes”. Em segundo lugar, o caráter semifeudal se apresenta no uso de relações religiosas, parentescos e conchavos políticos para perpetuar abusos ao povo trabalhador ao livre gosto dos velhos coronéis do Brasil.

Atualmente, o latifundiário criminoso João do Diabo se encontra preso, mas ainda tem a pachorra de negar todas as acusações, sendo assessorado, como já era de se esperar, pela mais alta cúpula da advocacia aristocrata brasileira.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja