GO: PMs presos por formar grupos de extermínio

A- A A+

Policiais militares do estado de Goiás foram acusados e presos por formação de grupo de extermínio, no dia 18 de dezembro. A operação, denominada de “circo de morte”, faz referência ao mágico de circo que cria ilusões enquanto engana o público, ou seja, sob o pretexto de proteger a população de bandidos, os policiais executavam opositores políticos.

As investigações que duraram um ano foram realizadas pela Polícia Federal (PF) junto com a Corregedoria da Polícia Militar (PM), apontando a participação de cinco policiais militares e oficiais no grupo de extermínio.

Os assassinatos eram cometidos nas cidades de Caldas Novas, Santo Antônio do Descoberto e Alto Paraíso, todas no estado de Goiás. Ao todo, foram expedidos oito mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão temporária, todos na cidade de Caldas Novas. Os crimes cometidos são de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, constituição de milícia privada, fraude processual e corrupção passiva.

Foram presos o tenente-coronel Carlos Eduardo Belelli, o sargento Ismael Fernando Silva e o cabo Raithe Rodrigues Gomes, além de um subtenente e outro sargento que ainda não tiveram seus nomes divulgados.

O grupo de extermínio é acusado de dois duplos homicídios ocorridos em março de 2017, um em Caldas Novas em que Douglas Carvalho da Silva, 27 anos, e Carlos Soares dos Prazeres, 18 anos, foram executados em uma suposta troca de tiros com a PM. O outro caso ocorreu em Santo Antônio do Descoberto, no qual Darlei Carvalho da Silva, 31 anos, e sua namorada, Dallyla Fernanda da Silva, 21 anos, tiveram sua casa invadida por policiais encapuzados, foram levados para fora, executados e seus corpos foram escondidos para assim não haver provas do crime cometido.

A PF investiga se houve algum recebimento para tais assassinatos. Policiais do 26o Batalhão da PM de Caldas Novas também estavam agindo como uma milícia, segundo as investigações. A PF investiga outros crimes para saber se têm envolvimento com o grupo de assassinos.

Um dos assassinos foi candidato a deputado estadual na farsa eleitoral do último pleito, o tenente-coronel Carlos Eduardo Belelli, que não chegou a ser eleito. O dito tenente, que ainda era major, esteve à frente do Comando independente da PM de Goiás (14o CIPM) no ano de 2015, que atuava nos municípios de Alto Paraíso e São João D'Aliança, e, em 2017, passou a comandar o 26o Batalhão da PM de Goiás em Caldas Novas.

Depois da PF já haver deflagrado a prisão de Belelli, ele mesmo denunciou em entrevista a um jornal do monopólio de imprensa do estado de Goiás que sabia da operação por intermédio da juíza Vaneska Baruk, levando a crer o envolvimento de um grupo ainda maior formado por altos escalões do judiciário. A juíza negou qualquer envolvimento com o caso.

O dito tenente-coronel ainda divulgou nas redes sociais um vídeo se defendendo das acusações, alegando que já esteve à frente de várias “operações contra o crime”, justificando que as mortes sempre ocorreram em confronto com bandidos que reagiram às investidas da polícia.

O estado de Goiás tem sua polícia conhecida como uma das mais truculenta de todas no Brasil e por não deixar suspeitos vivos em meio às ocorrências, sejam ou não inocentes. 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja