Mausoléu em homenagem aos guerrilheiros do PCP é demolido

Foi demolido, numa ação covarde realizada pelo velho Estado peruano, o mausoléu erigido para todos os bravos revolucionários mortos em combate dentro do campo de concentração prisional peruano de El Frontón, em 1986, no que ficou conhecido como Dia da Heroicidade.

O mausoléu se encontrava localizado no distrito de Comas, nos arredores de Lima, capital do Peru. Dentro dele encontravam-se os corpos de oito guerrilheiros do Exército Popular de Libertação, exército dirigido pelo Partido Comunista do Peru (PCP).

No dia da demolição, os parentes dos combatentes falecidos protestaram fortemente em frente ao mausoléu e entraram em confronto com a polícia reacionária peruana para impedir que a ação prosseguisse. Na manifestação, via-se cartazes com palavras de ordem como A demolição é a continuação do genocídio.

O mausoléu foi construído pelas famílias em homenagem aos revolucionários vítimas do genocídio.

O Dia da Heroicidade

No dia 19 de junho de 1986, incapaz de impedir a resistência dos prisioneiros de guerra do PCP, que organizavam-se na prisão e derrotavam os planos de aniquilamento gradual – convertendo as prisões em Luminosas Trincheiras de Combate –, o criminoso governo mobilizou Exército, Marinha, Força Aérea e polícia para executar o plano de eliminar os dirigentes e militantes presos nos presídios de Lurigancho, Callao e na Ilha de El Frontón.

Os prisioneiros protagonizaram uma das mais heroicas resistências da história recente da América Latina, combatendo com armas precárias e improvisadas os genocidas das Forças Armadas reacionárias peruanas. Muitos tombaram em combate entoando a plenos pulmões o hino do proletariado, A Internacional. Outros, gravemente feridos e sem mais condições de se defender, foram barbaramente executados.

O PCP assumiu então o dia 19 de junho como Dia da Heroicidade. Na ocasião, o Presidente Gonzalo, chefatura do Partido e da Revolução, escreveu:

“A rebelião dos prisioneiros de guerra, custando a própria vida, conquistou para o Partido e à revolução um grandioso triunfo moral, político e militar”, e prossegue: “Os prisioneiros de guerra, como personagens da história, seguem ganhando batalhas além da morte, pois vivem e combatem em nós, conquistando novas vitórias; sentimos palpitante e luminosa sua robusta e inapagável presença, ensinando-nos hoje, amanhã e sempre a dar a vida pelo Partido e à Revolução.”.

relatives visiting mausoleum

Mausoleum in full splendor

Mausoléu aberto para o público 

Mausoleum being destroyed

Demolição do mausoléu 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro