Pistoleiro executa um Consultor da Frente Nacional Democrática das Filipinas

A- A A+
Pin It

Felix Randy Malayao

O Consultor da Frente Nacional Democrática das Filipinas (FNDF), Felix Randy Malayao, foi executado a tiros dentro de um ônibus em Aritao, Nova Vizcaya, às 2h30 da manhã do dia 30 de janeiro. Malayao compunha e chegou a ser porta-voz da Comissão de Negociação da FNDF, que discutiu “acordos de paz” com o governo Duterte há dois anos.

Um homem, ainda não identificado, entrou no ônibus no qual viajava o democrata e atirou à queima roupa. Malayao estava dormindo e sequer teve chance de reagir. Tudo indica que o crime foi político, dado o papel desempenhado por Malayao, além do fato de que nenhum objeto seu ou de outrem foi furtado.

Malayao estava sob a suposta “proteção” do Acordo Conjunto sobre Garantias de Segurança e Imunidade, que garantia proteção estatal aos envolvidos nas “negociações de paz”. Além disso, Malayao nunca foi criminalmente acusado.

A FNDF salienta que este ataque deve ser visto no contexto de recrudescimento da repressão e da guerra contrarrevolucionária levada a cabo pelo governo de Duterte, contra as massas camponesas, operárias, pequenos e médios proprietários que lutam ou aspiram pela Revolução Democrática, Antifeudal e Anti-imperialista – revolução hoje dirigida pelo Partido Comunista das Filipinas, que comanda o Novo Exército do Povo.

Este atentado, assim como outros casos de perseguição política a democratas e progressistas da FNDF (como no caso dos democratas Vic Ladlad, Adel Silva e Rey Casambre, entre outros), expõe que os sucessivos governos do velho Estado filipino de grandes burgueses e latifundiários – serviçais do imperialismo – não estão interessados na “paz harmônica”, mas sim, interessados em silenciar os democratas e aniquilar a revolução em curso para seguir explorando o povo e entregando a nação.

Para concretizar esse interesse, utilizam-se frequentemente da tática de firmar acordos e negociações de paz com os revolucionários para desarmá-los e, posteriormente, ir perseguindo um a um – como ocorre hoje na Colômbia, onde as extintas Forças Armadas Revolucionárias (Farc) capitularam e têm, até agora, mais de 85 ex-guerrilheiros executados.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja