Carta do leitor: ‘Sobre o Trotskismo’

A- A A+

Um dos maiores canceres do Brasil hoje é o trotskismo e esse tema necessita urgentemente ser abordado e esclarecido. Não há a mínima hipérbole nessa reta colocação.

Tão nocivo quanto o fascismo na prática, o revisionismo marxista hoje se faz arqui-inimigo do povo e da causa popular. Tal como o fascismo é o adversário voraz e notável, o revisionismo marxista se faz o inimigo sorrateiro e camuflado e precisa ser com a mesma vivacidade e força combatido. E nesse ponto o trotskismo emerge a grande doença ideológica que é – dentre todas as facetas do revisionismo, de longe o trotskismo é o mais presente e influente no Brasil.

O trotskismo não pode ser concebido integralmente enquanto uma doutrina ideológica, tampouco uma diretriz de pensamento visto que seu precursor, Leon Trotsky, jamais teve um pensamento direcionado e coeso e regularmente transitava entre posições políticas diversas e as vezes até divergentes. A única “posição” (se é que assim pode ser entendida) que Trotsky manteve do início ao fim de sua vida política fora a de aversão completa à Lenin e ao leninismo de maneira geral – contrariando completamente muitos que hoje lideram partidos políticos “socialistas” no Brasil (e que essas aspas sejam enfatizadas, pois nada são além de partidos burgueses, revisionistas e derrotistas, que somente anseiam por uma cadeira no parlamento burguês).

A história, todavia, destruiu completamente Trotsky. Os fatos históricos foram eficazes por pôr abaixo todas suas ideias e teorias mirabolantes e idealistas:

Antes das revoluções de 1917 a teoria da revolução permanente de Trotsky pressupunha um descaso natural para com a classe camponesa, focando exclusivamente o proletariado urbano. Não só isso apresenta contradição com o próprio Karl Marx, que em sua fase madura já enxergava a necessidade da aliança proletária-camponesa visualizada após os acontecimentos da Comuna de Paris (1871), como a história, V.I. Lênin e os bolcheviques provaram o quão errônea era tal tese ao liderarem as revoluções de Fevereiro e Outubro na Rússia, que só fora eficaz devido à tal aliança. Infelizmente até hoje há, como herança trotskista nata, um gigantesco descaso de partidos ditos socialistas e até comunistas para com a questão campesina – nada além de revisionismo burguês cuja função é redirecionar as forças populares para as eleições e para o sindicalismo pelego, domesticando a revolta popular.

Também anterior as revoluções de 1917 se fazem nítidos os ataques de Trotsky à Lênin. Desde 1903 à poucos meses antes de da revolução de Outubro de 1917, a Revolução Bolchevique, Trotsky era um menchevique e fazia franca oposição às teses leninistas que lideravam o POSDR. Durante simplesmente 14 anos Leon não era mais do que um grande opositor do partido operário-camponês, o vindouro PCUS que elevou nação soviética ao socialismo e a condição de superpotência mundial. Se faz uma gigantesca incongruência histórica, totalmente desconexa e impossível de se encaixar, a figura de Trotsky como “líder do exército vermelho”, dados tais fatos históricos. Fora a iminência da revolução proletária, liderada pelo maior dos bolcheviques, Lênin, que forçou Trotsky a renunciar temporariamente suas teses e juntar-se, quase que forçosamente, as linhas bolcheviques. Nada mais que puro oportunismo ideológico trotskista, também refletido em muitos partidos trotskistas hoje no Brasil e no mundo.

Entrando no período pós-revolução de 1917, o tratado de Brest-Litovisk fora a próxima artimanha de sabotagem de Trotsky, que possuindo uma incapacidade diplomática de negociação (proposital ou não), fez a jovem nação soviética render-se ao imperialismo alemão de uma forma extremamente humilhante, concedendo-o territórios inclusive. Esse fato histórico, simplesmente incontestável pela sua própria natureza, provou uma entre duas possibilidades: ou Trotsky era um péssimo diplomata ou ótimo sabotador. Haveria possibilidade de comparar tais evidentes insuficiências de diplomacia e liderança com Josef Stálin? Nenhuma.

No pequeno período das revoluções de 1917 à morte de Lênin em 1924, Trotsky de um opositor se transformou em um aparente apoiador da causa leninista, o que era de se esperar, visto a colossal notoriedade da figura de Lênin no cenário não só soviético como mundial. Pois logo após a morte de Lênin, Trotsky novamente encontra espaço para expor sua verdadeira face e volta todas suas forças para oposição ainda mais ferrenha aos bolcheviques, centralizados e liderados pela figura de Josef Stálin. Nesse período ressurgem duas de suas teses mais absurdas à causa operária-camponesa: o multipartidarismo/fracionismo e a revolução permanente.

Não há muito o que ser dito sobre a ideia multipartidarista/fracionista, essa que por si só se faz dejeto ideológico burguês perante ao centralismo democrático e à concepção de Partido Comunista de Lênin. Qualquer ideia que propõe a existência de múltiplos partidos ou à ideia de frações dentro do Partido Comunista é naturalmente estranha à toda lógica leninista e à ditadura do proletariado marxista. Essas ideias anticomunistas, antimarxistas e antileninistas estão demasiadamente enraizadas na política dos partidos “socialistas” brasileiros e são também aliadas naturais as concepções burguesas de democracia.

Sobre o retorno da revolução permanente: essa agora veio junto com teoria do desenvolvimento desigual e combinado – uma ideia cujo diagnóstico nada mais que um descarado plágio das ideias de Lênin a respeito do imperialismo, porém revestidas com ar burguês para que possam conduzir à um abertamente revisionista prognóstico. Nada além disso, Trotsky simplesmente copiou de Lênin as bases da concepção de imperialismo – a magna opus do premier soviético – e dessas, erroneamente à si apropriadas, retirou prognósticos lamentáveis. O resumo disso se deu na renovação da teoria da revolução permanente, que agora entendia que a revolução russa jamais iria perdurar se não fosse acompanhada de uma revolução europeia. Essa tese também fora pela própria história destruída, visto que a URSS se transformou numa pujante superpotência mesmo perante a ausência das revoluções na Europa ocidental. Mais uma vez, a histórica contradiz completamente Trotsky, e ainda assim há quem até o presente dia enalteça suas estúpidas e já refutadas ideias, vide a brasileira “teoria da dependência” – uma “teoria do desenvolvimento desigual e combinado” adaptada ao Brasil, igualmente revisionista e anticomunista, além de contrarrevolucionária.

Já expulso do PCUS e da URSS, Trotsky – evidentemente financiado pela burguesia e no luxo das mansões que viria a habitar – continuou seu trabalho de oposição ao socialismo, em uma só definição.  Seu próximo passo fora dizer que a URSS iminentemente seria derrotada na Segunda Guerra Mundial. Um pouco depois de sua morte, pela última vez então a história viria novamente a aniquilar Trotsky.

Essa foi a trajetória do sempre menchevique Leon Trotsky: ignorou a classe camponesa e a história provou que essa não deveria ser ignorada, opôs-se os bolcheviques e esses triunfaram, fez um terrível trabalho diplomático (ou excelente trabalho de sabotagem), propôs o multipartidarismo e o fracionismo partidário e a URSS triunfou exatamente contrária a essa tese com um Partido Comunista de cunho leninista, previu que a URSS desmoronaria se a revolução europeia não acontecesse e a URSS se transformou em superpotência sem nenhuma revolução europeia, previu que a URSS perderia a Segunda Guerra e essa foi vitoriosa. Em poucas palavras, a história engoliu Trotsky e hoje quem adere ao trotskismo apenas navega em vômito ideológico.

Há um excelente trabalho, riquíssimo em citações e fatos históricos, que versa sobre o trotskismo chamado “Trotskismo X Leninismo” (2009) de Harpal Brar, provavelmente baseado na obra de Stálin “Trotskismo ou Leninismo?” de 1924. Ambos excepcionais trabalhos, altamente recomendados, ou melhor: necessários à leitura. E por qual razão tais obras seriam assim, tão compulsórias ao estudo? Pelo simples fato de que todos – repito: todos – os partidos de esquerda legalizados (e alguns não-legalizados) no Brasil estão completamente afogados no lamaçal do trotskismo. A academia brasileira está imersa no esgoto do trotskismo e são poucas as divergências realmente marxistas presentes, apesar de Marx ser largamente mencionado.

Por isso necessita-se urgentemente ser compreendido por todo povo brasileiro e mundial – trotskismo é revisionismo, é antimarxismo, reacionário e contrarrevolucionário, é a sabotagem ardilosa na sua face mais podre, o oportunismo quase que sistêmico que permeia essa deturpada e esfacelada política brasileira, deixando-a à mercê da grande burguesia internacional e não nas mãos do povo trabalhador brasileiro. Não há a menor possibilidade de que esse país possa se desenvolver, se industrializar e se democratizar de fato sem que seja travada uma luta ferrenha contra o trotskismo e contra todo revisionismo. Tal luta deverá ser aliada a luta antifascista e anti-imperialista e assim, e tão somente assim, o povo poderá fazer a revolução e implantar uma nova e verdadeira democracia para o nosso tão amado Brasil!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja