Camponeses submetidos a trabalho servil e feudal no Pará

Precário barracão onde viviam alguns dos camponeses. Foto: Secretaria de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia

Camponeses pobres foram encontrados por fiscais do trabalho em “condições análogas à escravidão”, em um latifúndio localizado em Medicilândia, em Altamira, no Pará, no dia 25 de janeiro.

Segundo os agentes da Justiça Federal, os camponeses pobres trabalhavam num latifúndio criador de gado para o corte, e eram submetidos a um regime de servidão por dívida (o que, juridicamente, é qualificado como “escravidão por dívida”).

“Os trabalhadores eram obrigados a adquirir alimentos e itens básicos de subsistência no estabelecimento comercial do empregador [latifundiário], sem que houvesse ciência e controle dos preços praticados, muito superiores aos da própria região, permanecendo em constante e inafastável endividamento.”, relatou um dos fiscais envolvidos na operação ao monopólio de imprensa.

Após obrigarem os camponeses pobres a se endividarem, o latifundiário, como forma de fazê-los “pagar a dívida” os obrigava a trabalhar na grande fazenda, utilizando-se de grupos paramilitares de pistoleiros para aterrorizá-los.

Armas não registradas foram encontradas e, segundo à investigação, elas eram usadas pelos paramilitares do latifundiário.

O latifundiário foi preso em flagrante na sua isolada propriedade, localizada às margens do Rio Jarauçu quando, durante a fiscalização, tentou subornar os fiscais. No total dos oito camponeses encontrados na propriedade em condição de servidão, dois eram menores de idade.

A origem de casos como este está no monopólio da propriedade agrária. Hoje há mais de 200 milhões de hectares de terras concentrados nas mãos de poucos milhares de latifundiários, enquanto milhões de camponeses pobres dividem aproximadamente algumas dezenas de milhões de hectares.

Com pouca terra ou sem nenhuma terra para plantar, sem acesso à crédito ou a maquinários, os camponeses pobres se veem submetidos ao poder do latifundiário local, que passa a controla-los por várias formas, chegando até a submetê-los a um regime de servidão completamente feudal, como no caso acima.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro