Filipinas: Duterte e Exército reacionário cometem atrocidades contra o povo

A- A A+
Pin It

Guerrilheiros do Novo Exército do Povo (NEP) Foto:  (Manman Dejeto/AFP/Getty Images)

Em entrevistas dadas à imprensa ianque The Washington Post, membros de povos tribais, figuras religiosas, professores e ativistas que trabalham em Mindanao ou outras regiões onde está presente a guerra popular acusam o governo filipino de uma série de abusos contra os direitos democráticos do povo.

Há relatos de sabotagem nas entregas de comida e medicamentos dentro dos vilarejos e trabalhos de grupos paramilitares que matam cidadãos filipinos que moram perto de zonas guerrilheiras, com a justificativa de que eles têm alguma ligação com o Novo Exército do Povo (NEP), dirigido pelo Partido Comunista das Filipinas (PCF).

Os moradores dessas áreas afirmam que se eles delatarem as atrocidades feitas pelo Exército reacionário filipino do governo Duterte, ou se recusarem a colaborar com as empresas multinacionais de mineração da região, são imediatamente rotulados como “simpatizantes do comunismo” e muitas vezes levados para interrogatórios.

“Eu fui acusado de incitar um protesto, apenas porque estava visitando famílias que foram deslocadas de suas casas por conta de um ataque militar, fui levado para interrogatório.”, relata Raymond Ambray, um padre católico que trabalha em áreas de tribos indígenas.

Ambray diz que os ultrajes cometidos pelos militares ou paramilitares não são de agora. Em 2015, narra que um administrador de uma escola foi encontrado morto ao lado de dois indígenas, e os residentes da área afirmam que foram os grupos paramilitares que assassinaram brutalmente os três. No entanto, alega que que as condições de repressão pioraram demasiadamente após 2017 – ano que o governo espalhou que estaria disposto a realizar um “acordo de paz”, tentando ludibriar os revolucionários a depor as armas.

Muitos indígenas que acreditavam em Duterte e votaram nele nas eleições de 2016, agora estão arrependidos. “Nós cometemos um erro e no momento estamos sofrendo por conta dele. É triste ouvir a propaganda do governo de que o NEP está violando os direitos do povo quando tudo que nós vemos é que quem verdadeiramente está cometendo ultrajes contra a população são os próprios militares. O pior e mais recente incidente que lembro foi quando os soldados invadiram um vilarejo e enquadraram uma família. Os soldados implantaram granadas na casa deles, tiraram tudo deles”, denuncia Junrey Manlicayan, membro da tribo Banwaon, região próxima de uma zona guerrilheira, em Mindanao. “É como se o governo tivesse travado uma guerra contra nós, o povo.”, completa.

O bispo Villasanta, que também é um residente em regiões perto as de confronto entre comunistas e militares analisa para o The Washington Postque, após décadas e décadas de exploração contra a população camponesa e indígena pelas grandes multinacionais, e agora com o fracasso dos “acordos de paz”, cada vez mais as massas vão adentrar nas fileiras da revolução maoista. “Assim como muitos fizeram sob o governo do ditador Ferdinand Marcos – apoiado pelo imperialismo ianque.”, diz o bispo.

Representantes do PCF declaram em um documento redigido à população que “o regime de Duterte não nos deixa outra opção senão travar uma guerra armada nacional para defender o povo contra o fascismo e o terrorismo de Estado”, e convoca as massas a participarem da resistência interna contra o velho Estado. 

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja