Povos indígenas mostram sua força em grande mobilização nacional!

A- A A+
Pin It


Maranhão, em Santa Inês, os povos Awá, Ka’apor, Guajajara, Tremembé e Gamella realizam uma marcha - Fotos Mídia Índia


Repercutimos nota do Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas sobre a mobilização nacional de 31 de janeiro de 2019 de vários povos indígenas em todo o país, cujo objetivo foi rechaçar as medidas do novo governo no que toca seus direitos.


No dia 31 de Janeiro, os povos indígenas de todo o país mostraram sua força com uma grande mobilização nacional que faz parte da campanha: Sangue Indígena, Nenhuma Gota a Mais! Tendo repercussão em mais de 10 países, 22 estados e 70 cidades e localidades onde ocorreram atos, passeatas e trancamento de rodovias.

Essa grande mobilização nacional ocorre em um momento em que o novo gerenciamento de turno coloca a questão indígena como um de seus principais alvos do rolo compressor com que passa por cima dos direitos da população, anunciando já em seus primeiros dias uma série de ataques contra os direitos dos povos originários.

Dentro desses ataques, se encontra o desmonte da FUNAI e a passagem da política indigenista para as mãos dos grandes latifundiários do país, o desmonte da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) com municipalização da saúde dos povo tradicionais e o fechamento da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), do Ministério da Educação. Só no primeiro mês do novo governo foram mais de 8 invasões a terras indígenas, além de diversos ataques por parte de pistoleiros e agentes da repressão do Estado, alimentados pelos pronunciamentos do governo que incentivam e dão “carta branca” para que esses crimes ocorram. Em especial se encontra em risco o direito dos povos indígenas ao seu território originário. Não só o governo aponta para a não homologação de mais nenhuma terra indígena e paralisação dos processos vigentes, mas a investida ameaça mesmo os territórios já demarcados, revendo homologações e interferindo na autonomia e o direito de autodeterminação dos povos que ali vivem.

E pior, a mão sanguinária do Estado avança contra os povos indígenas ao mesmo tempo que se autointitulam conhecedores de suas necessidades (vide declaração do carrasco ministro general Heleno) ou se colocam como seus benfeitores (vide a ladra-de-crianças ministra Damares Alves). Os povos indígenas nesse dia 31 mostraram quais são suas reivindicações e que não se contentarão com meias palavras, mas brigarão com unhas e dentes por aquilo que a séculos lhes é negado.

Também afirmam que não vão esperar sentados que o governo tome alguma atitude. Lutarão na marra por seus direitos, como explica Lindomar Terena, cacique e liderança do Conselho Terena, no Mato Grosso do Sul. “As demarcações das terras indígenas, se não for feita pelo Executivo, será feita pelo nosso povo, será feita a autodemarcação dos territórios. Uma vez que o Estado não cumprir o que está na Constituição Federal, os povo indígenas vão se amparar nela e fazer com que nossos direitos sejam cumprido”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja