SP: Praça da Sé fica lotada em manifestação contra reforma da Previdência nesta quarta

Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Na tarde desta quarta-feira, 20 de fevereiro, a Praça da Sé, Centro de São Paulo, ficou lotada de trabalhadores durante a manifestação contra a reforma da Previdência do governo militar de Bolsonaro. Participaram professores, estudantes, bancários, servidores públicos e outras categorias convocadas por diversas centrais sindicais.

Entre as pautas, o ato conclamou a resistência dos trabalhadores contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que estava sendo apresentada pela gerência federal na manhã desta quarta ao apodrecido Congresso Nacional.

Os trabalhadores também criticam duramente as propostas de elevar as idades mínimas de aposentadoria dos homens para 65 anos e das mulheres para 62, o estabelecimento mínimo de 20 anos de contribuição e o fim das aposentadorias por tempo de contribuição.

— Essa manifestação é parte da resistência que iremos travar contra as políticas desse bandido fascista chamado Bolsonaro e os ataques que seu governo quer impor aos trabalhadores. Vivemos numa época de cada vez maior participação de militares na vida política e não podemos permitir que 1964 se repita neste país. Precisamos ir às ruas contra o fascismo e a reforma da Previdência! — exclamou o estudante Flávio Liberato.

Greve Geral de Resistência Nacional

Entre as inúmeras manifestações e declarações que conclamam a resistência contra a reforma da Previdência e os demais ataques aos trabalhadores, destacamos uma nota emitida pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de BH e Região (o Marreta) e pela Liga Operária, intitulada Pela Greve Geral de Resistência Nacional, que trazia o seguinte trecho:

“Frente as medidas já implementadas ou anunciadas pelo novo governo, os trabalhadores da cidade e do campo estão desafiados a uma luta sem quartel de resistência nacional em defesa de seus direitos e interesses imediatos, econômicos, sociais, políticos e culturais, através da mobilização permanente por estabelecer um programa de lutas, para o qual se faz necessário um plano de unidade de ação.”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin